Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Escravatura entre quatro paredes

Sociedade

Ana Margarida de Carvalho

A violência doméstica mata mais do que os acidentes de viação. Mata mais do que a malária. Desde 2000 que é Crime Público, em Portugal, mas as mulheres continuam a ser vítimas das maiores atrocidades, e de atentados à sua integridade, liberdade e vontade. A Violência Doméstica, no próximo E se Fosse Consigo?

Se por um lado, há cada vez mais sensibilização para o tema, se cada vez há mais associações que protegem e denunciam vítimas e agressores de violência doméstica, e se criam campanhas e se accionam programas de proteção legal - o certo é que este crime continua a destruir muitas vidas: das mulheres e das crianças envolvidas.

Não é a lei que não serve. É a lei que não basta. Porque a sociedade passivamente consente. É uma questão de mentalidades, explicam os juristas e técnicos de associações de apoio. Foram muitos séculos de patriarcado, muitos séculos de supremacia masculina, muitos séculos de violência, posse e subjugação. A violência doméstica, nas suas várias vertentes (física, verbal, sexual) continua a não ser percecionada enquanto crime - às vezes até pelas próprias vítimas, que consideram que devem prestar vassalagem e submissão ao marido.

Fala-se de escravatura, quando se trata de emigrantes clandestinos que são abusados em relações laborais fictícias - mas muitos se esquecem que por detrás da porta do lado, podem estar a acontecer crimes de atentado à dignidade da pessoa humana, mulheres escravizadas, sem vontade própria, sem direito à sua auto-determinação, à sua decisão, ao seu corpo. Como se fossem pertença de outrém. Como se fossem escravas.

No livro Vidas suspensas, da jornalista e camarada de redação, Rita Montez, editado pela Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, recolhem-se doze testemunhos de vítimas, mulheres comuns, operárias, administrativas, empresárias, médicas, engenheiras e até juízas... Fala-se aqui de centenas de processos de mulheres agredidadas que aparecem nos tribunais numa qualidade de duplamente vítimas (dos companheiros e do sistema judicial): «são depois acusadas de alienação parental ou de manipular os filhos quando estes se recusam a conviver com os pais agressores».

Apesar do reconhecimento e da condenação social, apesar de, a partir do ano 2000, a violência doméstica ter passado à configuração de crime público (ou seja, qualquer pessoa pode denunciar e a vítima não pode desisitir em qualquer fase do processo), ainda não estão, segundo a Associação Portuguesa de Mulheres Juristas, asseguradas as repercussões penais que visem a defesa dos Direitos Humanos das vítimas.

A Violência Doméstica no próximo E se Fosse Consigo?

VEJA OU REVEJA

Recorde o sexto programa

Recorde o quinto programa

Recorde o quarto programa

Recorde o terceiro programa

Recorde o segundo programa

Recorde o primeiro programa

Visite o site oficial do programa

  • O nosso racismo subtil

    Sociedade

    Um teste ao preconceito racial é o ponto de partida para o primeiro programa de Conceição Lino, E se Fosse Consigo?, a partir de segunda feira, 18, a seguir ao Jornal da Noite, na SIC. Veja um excerto da experiência social e a reação de quem assistia a uma discussão racista e ainda às declarações do único deputado negro, Hélder Amaral

  • Racismo: E Se Fosse Consigo?

    Sociedade

    O racismo é o tema do primeiro E se fosse Consigo?, o novo programa de Conceição Lino, que estreou segunda feira na SIC e que testa a capacidade de intervenção dos portugueses na defesa do outro, a partir de situações ficcionadas. Veja aqui o primeiro programa

  • Obesidade: E se fosse consigo?

    Sociedade

    A obesidade é o tema do segundo E se fosse Consigo?, o novo programa de Conceição Lino na SIC e que testa a capacidade de intervenção dos portugueses na defesa do outro, a partir de situações ficcionadas. Veja aqui o segundo programa

  • Bullying: A guerra dos recreios

    Sociedade

    Um teste da tolerância dos portugueses às agressões e insultos a um jovem por três colegas, no meio da rua, dará o mote para o próximo programa de Conceição Lino E Se Fosse Consigo? Bullying em debate, em simultâneo na SIC e SIC Notícias, segunda-feira, às 20h50

  • Gostar de um filho é gostar dele todo

    Sociedade

    O momento em que os pais aceitam a orientação sexual dos filhos é crucial para o resto das suas vidas. Mas muitos continuam a pensar no que que os outros vão pensar em vez do que no que a criança ou o adolescente LGBT sentem. A homofobia no centro do programa de Conceição Lino, E Se Fosse Consigo? VEJA O VÍDEO

  • As mães também saem do armário

    Sociedade

    Pais portugueses passam mais tempo a pensar no que os outros vão pensar do que no que sentem os filhos gays. O momento da aceitação familiar é crucial, a rejeição pode ser trágica. Para amparar tantas mágoas e dúvidas, pais e mães uniram-se numa associação de entreajuda. A homofobia vai estar em foco no E se Fosse Consigo?

  • "Quem te ama, não te agride"

    Sociedade

    A violência no namoro, surpreende e preocupa a comunidade de psicólogos e pais. Como é possível raparigas tão novas submeterem-se a humilhações, chantagens no facebook e agressões físicas? O próximo programa E Se Fosse Consigo relata casos drámáticos de adolescentes que sofrem em silêncio

  • Amor sem password

    Sociedade

    A violência no namoro será o próximo tema do E se Fosse Consigo?. Os adolescentes acham normal exigir as passwords do computador do parcei

  • De shot em shot até ao alcoolismo final

    Sociedade

    Shot a shot, a doença da adição vai conquistando terreno entre jovens cada vez mais novos, em Portugal. E com a chegada do verão, com as queimas, as festas e os festivais, vê-se muita tolerância da sociedade ao fundo do copo. Os jovens e o álcool será o ponto de partida do próximo E Se Fosse Consigo? (SIC e SICNotícias)

  • Beber até cair

    Sociedade

    Os pais estão preocupados em saber se os filhos usam drogas ilícitas, e a tragédia passa-lhes ao lado em pequeníssimos e discretos copos de shots. A sociedade continua a “glamourizar” a bebida, e até acha graça, mas, alertam os especialistas, a situação está fora de controlo e nunca houve consumos tão precoces. Os jovens e o álcool, esta segunda-feira, no E Se Fosse Consigo?