Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Costa garante que todos os instrumentos serão ativados para apoiar portugueses na Venezuela

Mundo

Anadolu Agency/ Getty Images

O primeiro-ministro afirma que todos os instrumentos do Estado serão ativados para apoiar os portugueses na Venezuela e frisou que a posição diplomática nacional sobre a crise política em Caracas será a da União Europeia

António Costa falava aos jornalistas após ter visitado o espaço da "Ephemera", Arquivo e Biblioteca José Pacheco Pereira, no Barreiro, acompanhado pela ministra da Cultura, depois de ter sido questionado pelos jornalistas sobre os incidentes no bairro da Jamaica, no Seixal.

O primeiro-ministro referiu que a situação de intranquilidade na Venezuela, "infelizmente, não começou ontem, sendo, antes, uma constante ao longo dos últimos anos".

"A comunidade portuguesa sabe bem o apoio e a proximidade que, quer os serviços consulares, quer o Governo, têm mantido constantemente. Essa solidariedade é total e todos os instrumentos do Estado português serão ativados em função das necessidades, sendo nosso desejo que - agora que a comunidade internacional se vai alinhando no reconhecimento das novas autoridades - rapidamente se possa recuperar a calma e a tranquilidade na Venezuela, garantindo a segurança de todos os portugueses ali residentes", declarou António Costa.

Nos planos político e diplomático, Portugal, segundo o líder do executivo, "tem trabalhado com os outros países da União Europeia para ter uma posição conjunta".

"Essa posição tem vindo a ser articulada entre todos. A União Europeia tomará a sua posição - e essa será também a posição de Portugal", acrescentou.

Juan Guaidó autoproclamou-se na quarta-feira Presidente interino da Venezuela, perante milhares de pessoas concentradas em Caracas.

O engenheiro mecânico de 35 anos tornou-se rapidamente o rosto da oposição venezuelana ao assumir, em 03 de janeiro, a presidência da Assembleia Nacional, única instituição à margem do regime vigente no país.

Nicolás Maduro iniciou em 10 de janeiro o seu segundo mandato de seis anos como Presidente da Venezuela, após uma vitória eleitoral cuja legitimidade não foi reconhecida nem pela oposição, nem pela maior parte da comunidade internacional.

Os Estados Unidos, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e quase toda a América Latina, à exceção de México, Bolívia e Cuba, e da Rússia - que se mantêm ao lado de Maduro, que consideram ser o Presidente democraticamente eleito da Venezuela -, já reconheceram Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela.

Por seu lado, a União Europeia defendeu a legitimidade democrática do parlamento venezuelano, sublinhando que "os direitos civis, a liberdade e a segurança de todos os membros da Assembleia Nacional, incluindo do seu Presidente, Juan Guaidó, devem ser plenamente respeitados" e instando à "abertura imediata de um processo político que conduza a eleições livres e credíveis, em conformidade com a ordem constitucional".

Da parte do Governo português, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, expressou na quarta-feira pleno respeito pela "vontade inequívoca" mostrada pelo povo da Venezuela, disse esperar que Nicolás Maduro "compreenda que o seu tempo acabou" e apelou para a realização de "eleições livres".

A Venezuela, país onde residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes, enfrenta uma grave crise política e económica que levou 2,3 milhões de pessoas a fugir do país desde 2015, segundo dados da ONU.

com Lusa