Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Angkor Wat - A Jóia do Cambodja

Tapas, Vida e Viagens

  • 333

Angkor Wat faz-nos sentir minúsculos perante tamanha beleza e grandiosidade. Templos majestosos, monumentos em ruínas, árvores milenares que nos fazem sentir os protagonistas de uma aventura ao estilo Indiana Jones

PIRIPÍRI - Lituânia, mas também Letónia, Estónia e Bulgária gostam dos nossos sabores. Descobriram os molhos Quinta D’Avó, da Marovina, empresa dos arredores de Lisboa. O de Piripíri com alho tornou-se um best-seller, assim como o preparado Timorense.
1 / 12

PIRIPÍRI - Lituânia, mas também Letónia, Estónia e Bulgária gostam dos nossos sabores. Descobriram os molhos Quinta D’Avó, da Marovina, empresa dos arredores de Lisboa. O de Piripíri com alho tornou-se um best-seller, assim como o preparado Timorense.

SABONETES - Sabendo a crise que a Grécia está a passar, seria improvável pensar que este mercado registou, no último trimestre de 2012, um pico nas vendas do grupo Ach Brito, que ali distribui cerca de 50 produtos diferentes. O sabonete Claus Porto é o que tem mais saída.
2 / 12

SABONETES - Sabendo a crise que a Grécia está a passar, seria improvável pensar que este mercado registou, no último trimestre de 2012, um pico nas vendas do grupo Ach Brito, que ali distribui cerca de 50 produtos diferentes. O sabonete Claus Porto é o que tem mais saída.

MEL TRANSMONTANO - A China é um dos maiores produtores mundiais de mel. Mesmo assim, não resistiu ao mel de rosmaninho das 1 500 colmeias instaladas no Vimioso e Mogadouro, no distrito de Bragança. Em 2012, logo no primeiro ano de produção da BioApis – Apicultura Biológica de Trás-os-Montes, a China comprou-lhe três das dez toneladas de mel produzidas.
3 / 12

MEL TRANSMONTANO - A China é um dos maiores produtores mundiais de mel. Mesmo assim, não resistiu ao mel de rosmaninho das 1 500 colmeias instaladas no Vimioso e Mogadouro, no distrito de Bragança. Em 2012, logo no primeiro ano de produção da BioApis – Apicultura Biológica de Trás-os-Montes, a China comprou-lhe três das dez toneladas de mel produzidas.

VIA VERDE - O sistema Via Verde, da Brisa, está a ser testado na Índia, na autoestrada que liga Deli a Beawer, eixo importante para chegar a Mumbai.
4 / 12

VIA VERDE - O sistema Via Verde, da Brisa, está a ser testado na Índia, na autoestrada que liga Deli a Beawer, eixo importante para chegar a Mumbai.

CONSERVAS - Que os japoneses gostam de sushi já todos sabemos. Mas que eles gostam das nossas sardinhas em conserva pode surpreender-nos. A Poveira, conserveira da Póvoa de Varzim, vende para o Japão três contentores por ano da sua marca Minerva. Milhares de caixas são ali vendidas no segmento gourmet.
5 / 12

CONSERVAS - Que os japoneses gostam de sushi já todos sabemos. Mas que eles gostam das nossas sardinhas em conserva pode surpreender-nos. A Poveira, conserveira da Póvoa de Varzim, vende para o Japão três contentores por ano da sua marca Minerva. Milhares de caixas são ali vendidas no segmento gourmet.

TALHERES - Vários países do Médio Oriente (Egito, Kuwait, Iraque, Irão, Bahrein) são fãs dos talheres fabricados pela Cutipol. A Casa Real da Jordânia, por exemplo, deixou-se encantar pelos modelos aqui desenhados. A encomenda chegou à empresa de Guimarães diretamente da Casa Real. Já repetiram a dose mais de uma vez, pedindo milhares de talheres para diversos fins.
6 / 12

TALHERES - Vários países do Médio Oriente (Egito, Kuwait, Iraque, Irão, Bahrein) são fãs dos talheres fabricados pela Cutipol. A Casa Real da Jordânia, por exemplo, deixou-se encantar pelos modelos aqui desenhados. A encomenda chegou à empresa de Guimarães diretamente da Casa Real. Já repetiram a dose mais de uma vez, pedindo milhares de talheres para diversos fins.

MOBILIÁRIO URBANO - Em Marrocos, na autoestrada Rabat-Agadir ou Rabat-Oujda as estações de serviço são equipadas com o mobiliário da Larus. Bancos duplos, mesas, papeleiras e floreiras em aço e madeira foram do agrado do staff de Mohamed VI, Rei de Marrocos. No primeiro concurso público, a adjudicação foi de 700 mil euros. No segundo, o valor duplicou para os 1,3 milhões.
7 / 12

MOBILIÁRIO URBANO - Em Marrocos, na autoestrada Rabat-Agadir ou Rabat-Oujda as estações de serviço são equipadas com o mobiliário da Larus. Bancos duplos, mesas, papeleiras e floreiras em aço e madeira foram do agrado do staff de Mohamed VI, Rei de Marrocos. No primeiro concurso público, a adjudicação foi de 700 mil euros. No segundo, o valor duplicou para os 1,3 milhões.

ROUPA - A Andersen & Lauth é uma marca top/alta costura, de Reiquiavique, capital da Islândia, com «toques de vintage, romance e rock&roll», como se explica na sua página oficial. O que aí não diz é que algumas das suas coleções são confecionadas numa pequena empresa da Maia, a Ladyvest. Cada peça custará acima de mil euros. Será que Bjork as veste?
8 / 12

ROUPA - A Andersen & Lauth é uma marca top/alta costura, de Reiquiavique, capital da Islândia, com «toques de vintage, romance e rock&roll», como se explica na sua página oficial. O que aí não diz é que algumas das suas coleções são confecionadas numa pequena empresa da Maia, a Ladyvest. Cada peça custará acima de mil euros. Será que Bjork as veste?

BOTAS - Não consta que o Senhor dos Anéis use botas de marca Eject ou Prophecy, mas haverá certamente uns milhares de neozelandeses a usá-las. Desenhadas e fabricadas em Felgueiras pela J. Sampaio & Irmão, esta marca de calçado fatura na Nova Zelândia entre 300 e 400 mil euros por ano, pela venda de oito a dez mil pares de botas.
9 / 12

BOTAS - Não consta que o Senhor dos Anéis use botas de marca Eject ou Prophecy, mas haverá certamente uns milhares de neozelandeses a usá-las. Desenhadas e fabricadas em Felgueiras pela J. Sampaio & Irmão, esta marca de calçado fatura na Nova Zelândia entre 300 e 400 mil euros por ano, pela venda de oito a dez mil pares de botas.

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.
10 / 12

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.
11 / 12

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.
12 / 12

MOBILIÁRIO - A Época, Mobiliário Internacional conseguiu chegar a países da Ásia Central, como o Usbequistão, Quirguistão ou Tajiquistão. Para o Cazaquistão vendeu mesmo uma «mesa de Estado» de 800 metros quadrados! Estes mercados representam já «alguns milhões de euros» na faturação desta fábrica de Paços de Ferreira.





Angkor é sem sombra de dúvida uma das mais magníficas Maravilhas do Mundo e um sítio de extrema importância arqueológica. Situa-se no coração das florestas húmidas e luxuriantes das planícies do Cambodja Ocidental. A atmosfera encantadora e misteriosa é alimentada pelos templos grandiosos que nos transportam para glórias passadas. Foi um milagre Angkor ter resistido às maldades da guerra. Hoje, os templos estão em constante restauro, e atraem milhões de visitantes, sendo uma das mais importantes fontes de receitas para o país.

No coração de Angkor situam-se as imponentes torres de Angkor Wat e a cidade ancestral de Angkor Thom [estes dois lugares são inesquecíveis ao nascer ou ao pôr-do-sol]. Para norte, ficam os templos mais pequenos e singulares de Preah Khan e Preah Neak Pean, entre outros.

Em Angkor tanto somos engolidos pelo estilo clássico da arquitetura Kmer, como ficamos hipnotizados pelos pormenores da mitologia hindu. Deparamo-nos com cenários inacreditáveis de monumentos em ruínas e árvores milenares e sentimo-nos protagonistas de uma aventura ao estilo Indiana Jones. Não foi por acaso que o filme Tomb Raider foi gravado em Angkor e Angelina Jolie morreu de amores pelo Cambodja.

Para visitar Angkor Wat é necessário recorrer a um transporte motorizado (senão quiserem "morrer" de cansaço e de desidratação). Nós optámos por fazer o percurso mais pequeno (18 km) que demora um dia e cobre os templos centrais. O percurso foi feito num tuk tuk, com o Sophal, o nosso guia super simpático, muito culto e profundo admirador dos jogadores de futebol portugueses. Esta pareceu-nos a melhor opção, uma vez que pudemos parar sempre que queríamos, descansar, beber água fresca, e recuperar o fôlego entre os templos.

É um dia que nos enche a alma, mas também muito cansativo e quente. Aconselho a que levem água, chapéu e uns snacks (no caso de vos dar a fraqueza). Homens e mulheres devem levar indumentárias apropriadas e calções ou saias abaixo do joelho. As mulheres devem também tapar os ombros e o decote em alguns templos.De resto, aproveitem ao máximo, aprendam mais sobre a cultura e história locais num dia que vos será para sempre muito especial e inesquecível. 

Acompanhem-me no Tapas na Língua e no Facebook