Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Portugueses no fim do mundo

Pessoas

  • 333

Inácio Rozeira e Helena Pimentel chegaram à cidade mais a Sul do Planeta. CONHEÇA ALGUMAS CURIOSIDADES DESTA AVENTURA

Depois de três semanas à procura de uma pão-de-forma em São Paulo, conheceram Walter que lhes vendeu a sua carrinha no espaço de duas horas.
1 / 8

Depois de três semanas à procura de uma pão-de-forma em São Paulo, conheceram Walter que lhes vendeu a sua carrinha no espaço de duas horas.

A pão-de-forma chama-se Walentina devido a uma votação feita nas redes sociais e no blog.
2 / 8

A pão-de-forma chama-se Walentina devido a uma votação feita nas redes sociais e no blog.

Quando arrancaram em São Paulo o conta-quilómetros marcava uma capicua – 31613.
3 / 8

Quando arrancaram em São Paulo o conta-quilómetros marcava uma capicua – 31613.

Desde o primeiro dia que têm um galo meteorológico junto ao vidro da frente que lhes diz a temperatura que está naquele momento (é mais exacto olhar pela janela).
4 / 8

Desde o primeiro dia que têm um galo meteorológico junto ao vidro da frente que lhes diz a temperatura que está naquele momento (é mais exacto olhar pela janela).

No Paraguai, foram recebidos na casa de um desconhecido que lhes afinou a carrinha e montou uma cozinha.
5 / 8

No Paraguai, foram recebidos na casa de um desconhecido que lhes afinou a carrinha e montou uma cozinha.

Tiveram um encontro agendado com Jose Luis Chilavert (o famoso guarda-redes paraguaio que marcava penalties) que cancelaram, porque tinham de partir para a Patagónia.
6 / 8

Tiveram um encontro agendado com Jose Luis Chilavert (o famoso guarda-redes paraguaio que marcava penalties) que cancelaram, porque tinham de partir para a Patagónia.

No Uruguai conheceram Roberto Canessa, um dos sobreviventes de um acidente aéreo nos Andes nos anos 70.
7 / 8

No Uruguai conheceram Roberto Canessa, um dos sobreviventes de um acidente aéreo nos Andes nos anos 70.

A água do esguicho para limpar os vidros da frente está congelada há mais de duas semanas...
8 / 8

A água do esguicho para limpar os vidros da frente está congelada há mais de duas semanas...

Ushuaia, na Argentina, é conhecida por ser a cidade mais a sul do planeta, mas, no sábado, 6, tornou-se também no ponto de viragem da expedição Dar a Volta, com que os aventureiros portugueses Inácio Rozeira e Helena Pimentel, numa carrinha pão de forma, têm andado a explorar o continente sul-americano. Inácio e Helena partiram do Porto, em abril, rumo a São Paulo, Brasil, onde compraram a Walentina - a Volkswagen que os transporta há mais de 9 mil quilómetros.

Cruzaram o Paraguai, para conhecer uma orquestra onde os instrumentos são feitos de lixo, maravilharam-se com as paisagens do Uruguai, dançaram tango em Buenos Aires, foram pela Patagónia até à Terra do Fogo e, quatro meses, quatro dias, oito horas e 37 minutos depois, chegaram ao fim do caminho. Agora, vão - literalmente - dar a volta e subir pela costa do Pacífico até ao Rio de Janeiro, onde chegarão, preveem, no Carnaval de 2014.

O projecto "Dar a Volta" em números:

  • Quilómetros percorridos: 9209
  • Pneus furados: 0
  • Garrafas de água compradas: 3. Fervem água para diminuir a nossa pegada ecológica
  • Fronteiras cruzadas: 8
  • Camadas de roupa vestida no dia-a-dia na Patagónia: 6
  • Noites dormidas em hotel: 6
  • Temperatura mínima que apanharam: - 8ºC, em Punta Arenas
  • Controlos policiais: 17. No Paraguai pediram-lhes subornos... mas nunca chegou a ser necessário
  • Média de gastos diários em comida: 8 euros  

Mais em: www.visao.sapo.pt/diariosdeviagem