Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A China Profunda [5]

A China Profunda

  • 333

Líjiang, Dalí e Kunming

As recepcionistas do nosso hotel JIAN NAN CHUN vestidas a rigor com trajes NAXI.
1 / 68

As recepcionistas do nosso hotel JIAN NAN CHUN vestidas a rigor com trajes NAXI.

O pátio interior do Hotel.
2 / 68

O pátio interior do Hotel.

O pátio interior do Hotel.
3 / 68

O pátio interior do Hotel.

Pátios entre os quartos.
4 / 68

Pátios entre os quartos.

Pátios entre os quartos.
5 / 68

Pátios entre os quartos.

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!
6 / 68

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!
7 / 68

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!
8 / 68

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!
9 / 68

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!
10 / 68

Os canais à beira das casas onde corre uma corrente límpida e que são utilizados para arranjar os legumes, o peixe, lavar a roupa e a loiça e até mesmo os tapetes!!!

Recantos inesperados, locais encantadores sempre acompanhados pelo murmúrio da corrente...
11 / 68

Recantos inesperados, locais encantadores sempre acompanhados pelo murmúrio da corrente...

Tarefas domésticas à beira do canal. Prático! Sempre água corrente e grátis!
12 / 68

Tarefas domésticas à beira do canal. Prático! Sempre água corrente e grátis!

Tarefas domésticas à beira do canal. Prático! Sempre água corrente e grátis!
13 / 68

Tarefas domésticas à beira do canal. Prático! Sempre água corrente e grátis!

Eu, numa rua de Lijiang.
14 / 68

Eu, numa rua de Lijiang.

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!
15 / 68

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!
16 / 68

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!
17 / 68

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!
18 / 68

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!
19 / 68

O labirinto de ruas estreitinhas , empedradas, que se curvam e cruzam e onde é fácil perdermos-nos!

A porta Guemmen e entrada para a rua do nosso hotel.
20 / 68

A porta Guemmen e entrada para a rua do nosso hotel.

A principal praça do Mercado e o maior centro da cidade antiga.
21 / 68

A principal praça do Mercado e o maior centro da cidade antiga.

A principal praça do Mercado e o maior centro da cidade antiga.
22 / 68

A principal praça do Mercado e o maior centro da cidade antiga.

Com um excelente tempo, um céu azul de cristal, um sol magnífico e uma brisa gelada vinda das montanhas do Tibet, a apanhar sol, como em qualquer praça do Mundo!
23 / 68

Com um excelente tempo, um céu azul de cristal, um sol magnífico e uma brisa gelada vinda das montanhas do Tibet, a apanhar sol, como em qualquer praça do Mundo!

A praça da Câmara Municipal, que ficava junto ao nosso hotel.
24 / 68

A praça da Câmara Municipal, que ficava junto ao nosso hotel.

Chez "Ma Ma Fu's" à espera do delicioso almoço de cozinha Naxi.
25 / 68

Chez "Ma Ma Fu's" à espera do delicioso almoço de cozinha Naxi.

As noras à entrada da Cidade Velha e a ponte Yùlòng Qiào que a separa da Cidade Nova.
26 / 68

As noras à entrada da Cidade Velha e a ponte Yùlòng Qiào que a separa da Cidade Nova.

Apesar da falta de qualidade, devida à distância e à falta de luz, deixo aqui as imagens da Orquestra de Música Naxi - uma preciosa recordação!
27 / 68

Apesar da falta de qualidade, devida à distância e à falta de luz, deixo aqui as imagens da Orquestra de Música Naxi - uma preciosa recordação!

Apesar da falta de qualidade, devida à distância e à falta de luz, deixo aqui as imagens da Orquestra de Música Naxi - uma preciosa recordação!
28 / 68

Apesar da falta de qualidade, devida à distância e à falta de luz, deixo aqui as imagens da Orquestra de Música Naxi - uma preciosa recordação!

No Lago do Dragão Negro, o edifício De Yue.
29 / 68

No Lago do Dragão Negro, o edifício De Yue.

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.
30 / 68

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.
31 / 68

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.
32 / 68

Ao norte, à saída da cidade fica o Parque do Lago do Dragão Negro. Uma beleza. Águas azul turqueza, pagodes e pontes! E sempre as montanhas nevadas em fundo.

Um arco e raparigas em trajes Naxi.
33 / 68

Um arco e raparigas em trajes Naxi.

A caminho do Templo Yùténg Sí (Pico de Jade), a Montanha do Pico de Jade em todo o seu esplendor!
34 / 68

A caminho do Templo Yùténg Sí (Pico de Jade), a Montanha do Pico de Jade em todo o seu esplendor!

A caminho do Templo Yùténg Sí (Pico de Jade), a Montanha do Pico de Jade em todo o seu esplendor!
35 / 68

A caminho do Templo Yùténg Sí (Pico de Jade), a Montanha do Pico de Jade em todo o seu esplendor!

No pequeno Templo Lama a 5km de Baíshà, que foi estabelecido em 1756, monges a lerem as escrituras.
36 / 68

No pequeno Templo Lama a 5km de Baíshà, que foi estabelecido em 1756, monges a lerem as escrituras.

As meninas com os trajes típicos que posam com os turistas a troco de dinheiro. Por trás encontra-se uma famosa cameleira que dizem ter chegado a dar 10.000 flores e que, durante a Revolução Cultural, para que não morresse, um monge arriscou a vida ao regá-la. O que era proibido, imagine-se!!! Se calhar 10.000 é exagero mas já contaram entre Fevereiro e Abril 4.000!
37 / 68

As meninas com os trajes típicos que posam com os turistas a troco de dinheiro. Por trás encontra-se uma famosa cameleira que dizem ter chegado a dar 10.000 flores e que, durante a Revolução Cultural, para que não morresse, um monge arriscou a vida ao regá-la. O que era proibido, imagine-se!!! Se calhar 10.000 é exagero mas já contaram entre Fevereiro e Abril 4.000!

As meninas com os trajes típicos que posam com os turistas a troco de dinheiro. Por trás encontra-se uma famosa cameleira que dizem ter chegado a dar 10.000 flores e que, durante a Revolução Cultural, para que não morresse, um monge arriscou a vida ao regá-la. O que era proibido, imagine-se!!! Se calhar 10.000 é exagero mas já contaram entre Fevereiro e Abril 4.000!
38 / 68

As meninas com os trajes típicos que posam com os turistas a troco de dinheiro. Por trás encontra-se uma famosa cameleira que dizem ter chegado a dar 10.000 flores e que, durante a Revolução Cultural, para que não morresse, um monge arriscou a vida ao regá-la. O que era proibido, imagine-se!!! Se calhar 10.000 é exagero mas já contaram entre Fevereiro e Abril 4.000!

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.
39 / 68

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.
40 / 68

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.
41 / 68

Casa na Aldeia de Longquan - Pátios Naxi, com o milho e as malaguetas a secar, as flores, a roupa que é lavada numa bacia.

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.
42 / 68

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.
43 / 68

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.
44 / 68

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.
45 / 68

O palácio do Senhor MU, na zona sul da Cidade Velha de Lijiang. Era o representante do Imperdador.

Vista sobre os telhados de Lijiang.
46 / 68

Vista sobre os telhados de Lijiang.

Os campos cultivados em sucalcos a caminho de Dalí.
47 / 68

Os campos cultivados em sucalcos a caminho de Dalí.

Os campos cultivados em sucalcos a caminho de Dalí.
48 / 68

Os campos cultivados em sucalcos a caminho de Dalí.

Dalí, terra da etnia Bai, fica situada na margem do Lago Érhái. Numa ilha no meio do lago os corvos marinhos são utilizados para pescar. Muito comum na china, consiste em colocar uma argola no pescoço da ave. Esta apanha o peixe, mas não consegue engoli-lo, e o pescador recolhe-o de seguida. Parece um método muito cruel de pescar!
49 / 68

Dalí, terra da etnia Bai, fica situada na margem do Lago Érhái. Numa ilha no meio do lago os corvos marinhos são utilizados para pescar. Muito comum na china, consiste em colocar uma argola no pescoço da ave. Esta apanha o peixe, mas não consegue engoli-lo, e o pescador recolhe-o de seguida. Parece um método muito cruel de pescar!

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!
50 / 68

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!
51 / 68

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!
52 / 68

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!
53 / 68

A ilha não tem grande interesse e a única curiosidade foi a forma como cozinham nas ruas e os fogões utilizados!

Templo dos Pagodes de Sántási visto do Lago.
54 / 68

Templo dos Pagodes de Sántási visto do Lago.

A entrada para o parque à beira do lago de Sántàsi - Os três Pagodes.
55 / 68

A entrada para o parque à beira do lago de Sántàsi - Os três Pagodes.

O Pagode central que está rodeado por dois mais pequenos. O mais espantoso é que estas obras colossais não têm nada dentro!
56 / 68

O Pagode central que está rodeado por dois mais pequenos. O mais espantoso é que estas obras colossais não têm nada dentro!

O Pagode central que está rodeado por dois mais pequenos. O mais espantoso é que estas obras colossais não têm nada dentro!
57 / 68

O Pagode central que está rodeado por dois mais pequenos. O mais espantoso é que estas obras colossais não têm nada dentro!

Os pagodes mais pequenos nos lados.
58 / 68

Os pagodes mais pequenos nos lados.

O conjunto dos três.
59 / 68

O conjunto dos três.

Jovens com os trajes da etnia Bai. Divertido é ver que se vestem a rigor mas usam ténis!
60 / 68

Jovens com os trajes da etnia Bai. Divertido é ver que se vestem a rigor mas usam ténis!

Um curioso atelier de costura! Pois é, lá ainda é assim!
61 / 68

Um curioso atelier de costura! Pois é, lá ainda é assim!

O Templo Budista de Yuántóng Si do séc.VII.
62 / 68

O Templo Budista de Yuántóng Si do séc.VII.

O Pavilhão Octogonal no meio do lago central.
63 / 68

O Pavilhão Octogonal no meio do lago central.

As tartarugas do lago, consideradas símbolos de longevidade.
64 / 68

As tartarugas do lago, consideradas símbolos de longevidade.

Uma esplanada no parque da montanha Phoenix Song on de situa o Templo de Ouro.
65 / 68

Uma esplanada no parque da montanha Phoenix Song on de situa o Templo de Ouro.

A escadaria e a base em mármore que leva ao Templo.
66 / 68

A escadaria e a base em mármore que leva ao Templo.

Pormenor do tecto do Templo.
67 / 68

Pormenor do tecto do Templo.

68 / 68

Província de Yúnnán - Sem sombra de dúvida a mais atrativa como destino de viagens de toda a China. É geograficamente a mais variada, abrangendo desde florestas tropicais até aos cumes gelados do Tibete. É a sexta maior província da China com um terço de todas as suas minorias étnicas e possui um clima temperado durante todo o ano.

LÍJIANG - A norte de Dali, junto à fronteira com o Tibete, está situada num bonito vale e é a pátria da minoria étnica NAXI, descendente de nómadas tibetanos, onde as matriarcas ainda mantêm um controlo sobre os homens, em negociações flexíveis sobre o amor e os negócios. E foi a mais bela cidade que visitámos.

A Cidade Velha, a que importa, fica a leste de Shízi Shàn (a Colina do Lião) que a divide da cidade nova, (sem interesse) e está inscrita como património mundial da UNESCO desde 4 de Dezembro de 1997. Depois de um terramoto de grau 7 na escala de Richter, em Fevereiro de 1996 a ter destruído, matando cerca de 300 pessoas, o governo chinês empenhou-se na sua reconstrução, respeitando a tradicional arquitetura Naxi original e gastando milhões de yuans. As Nações Unidas, largamente impressionadas pela recuperação e salvação desta obra-prima de arquitetura, consideraram-na Património da Humanidade.

Atravessada por canais e pontes que ligam as casas às ruas estreitinhas e empedradas que formam um delicioso labirinto cheio de curvas, e de instáveis casas de madeira e pedra seca, algumas com telhados muito antigos de madeira, que em certos sítios quase se tocam e onde as mulheres se vestem com os seus trajes tradicionais de blusas azuis e calças cobertas por aventais azuis ou pretos e a capa em forma de "T", cruzada à frente por fitas, que além de proteger as costas do peso dos cestos que carregam, simboliza o céu. Na cabeça usam um toucado enfeitado de flores simbólicas. Claro que as mais novas adaptaram-se aos jeans! A praça do Mercado é a maior e o local onde todos se juntam. O nosso hotel era um encanto de arquitetura tradicional. O Líjiang Jian Nan Chun, faz parte das atrações, assim como, à saída da cidade, o Parque do Lago do Dragão Negro e o Teatro de Concertos de música Naxi, executados por 20 ou 24 membros, onde a idade média ronda os 80 anos (!) (o primeiro idoso a entrar para o palco vinha acompanhado de uma jovem que o conduziu ao lugar. Era cego) e onde se pode escutar música dos templos Taoístas, perdida no resto da China, tocada em instrumentos originais que sobreviveram à Revolução Cultural por terem sido enterrados pelos seus proprietários. Uma das raras oportunidades de escutar música chinesa tal como deve ter sido ouvida na China clássica. O edifício por si só vale a visita!!! Uma relíquia!!! Como curiosidade menciono que esta Orquestra de Músicos já atuou pela Europa e Estados Unidas e até no Centro Cultural de Belém. E não podia deixar de falar da cozinha Naxi. Como a sanduíche naxi feita com queijo de cabra, tomate e ovo frito entre dois pedaços do local "baba", um pão chato sem fermento. Mas o melhor foi mesmo no restaurante da Ma Ma Fu na beira de um canal onde comemos na esplanada, uma espécie de deliciosa empada recheada também com queijo de cabra e carne, tão boa que fomos lá duas vezes! Aliás aqui já muita coisa é feita a pensar no turista e encontrámos mesmo pizzarias. Porque aqui turistas ocidentais já há muitos!

Encantadores os arredores, como a pitoresca aldeia vizinha de Longquan, o Mosteiro de Yufeng, a aldeia de Baisha, a Montanha do Pico de Jade e a residência do representante do imperador, o palácio do Senhor Mu, no sul da cidade velha. Notável pela sua arquitetura, construído à semelhança da Cidade Proibida, encaixado na montanha que se eleva sobre a cidade, é muito bonito e está muito bem preservado.

E depois de uma estadia em que o nosso guia de pouco ou nada serviu e em que, felizmente, andámos à solta por nossa conta, para vaguear, bisbilhotar e descobrir à vontade esta encantadora cidade, seguimos por estrada para DALÍ.

Construída nas margens do Lago Erhai que domina os altos picos dos montes Cangshan, a cidade, conhecida pelos seus mármores, está situada na encruzilhada que liga o Yúnnan ao Tibet e ao Myanmar (Birmânia). Além de um passeio de barco à ilha de Jínsúo Dão no lago, visitámos o espantoso Templo de Chongsheng - Sántási - os Três Pagodes. Embora o Templo hoje já não exista, os Três Pagodes erguem-se perfilados em frente da montanha e são das construções mais antigas da China. O pagode maior, Qianxun, forma um quadrado de tijolos com 69,13m de altura e 16 renques e foi construído no período Feng Yu no ano 824 a.C. a 859 d.C. Os dois mais pequenos são octógonos ocos de tijolo com 42,19m de altura e 10 renques e foram construídos mais tarde no séc. XII d.C. Cidade muito simpática onde predomina a etnia Bai.

E voámos para KUNMING, capital do Yúnnan para uma curta visita que incluiu o Templo Budista Yuantongsi, fundado no séc. VII, um dos mais antigos da cidade, muito procurado por peregrinos. Tem cerca de 1000 anos e já foi renovado várias vezes. No meio tem um lago cruzado por caminhos e pontes onde habitam centenas de tartarugas, consideradas símbolo de longevidade e no centro deste fica o Pavilhão Octogonal. Visita ainda ao Templo do Ouro, Jín Diàn, taoista, que se ergue na colina chamada Phoenix Song, entre pinheiros e ciprestes, a um quilómetro de Kunming. Possui um elegante pavilhão de bronze, que outrora estava coberto de ouro. Hoje, os pilares, as paredes, o telhado, as ombreiras das portas, tudo é de cobre e está assente numa fundação de mármore. Tem um peso estimado de 300 toneladas e uma altura de seis metros. Pertence à dinastia Ming. E aqui comemos também o que deve ser o mais famoso prato de Kunming. "Guòqiáo Mixían" ou seja, "massas através da ponte". Consiste numa tigela com caldo de frango (também pode ser de pato) a ferver onde flutua a gordura do mesmo. Em pratos separados servem-nos vegetais, gema de ovo, pedaços de frango, etc. e meadas de massa de arroz, tudo cru. Então colocamos rapidamente estes ingredientes na sopa onde são cozidos pelo calor do caldo a ferver. Este prato é baseado num conto tradicional. Como segue:

"Era uma vez um estudante que vivia no sul do Lago Méngzi (no sudeste do Yúnnan) e que se sentiu atraído pela paz e sossego duma ilha que havia aí. Instalou-se numa cabana da ilha preparando-se para os exames finais. A sua mulher, entretanto, tinha que atravessar uma longa ponte de madeira para lhe levar as refeições todos os dias. A comida chegava sempre fria no Inverno. Então uma noite ela fez uma descoberta. Depois de ter cozido um frango, que formou uma capa de gordura à superfície, verificou que no dia seguinte o caldo ainda se encontrava quente, uma vez que a gordura não deixava passar o vapor, mantendo o caldo quente. Subsequentes experiências mostraram-lhe que podia cozinhar os ingredientes para a refeição do marido no caldo quente, depois de atravessar a ponte. E assim o marido passou a ter comida quente..." ou nasceu a lenda das "Massas através da Ponte". Lenda ou não é muito bom!

Daqui partimos de avião para Guilin, nas margens do Rio Li, na província de Guangxi e a visita ao país dos "Dongs", com Sangjiang, Chenyang e Mapang, de que falarei na próxima crónica.