Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

A China Profunda [1]

A China Profunda

  • 333

Lugares remotos, paisagens perdidas

Passagem pela primeira garganta - Xiling Gorge.
1 / 28

Passagem pela primeira garganta - Xiling Gorge.

Por cima dos cumes das montanhas, por entre nuvens, a sugestão de um sol que espreita timidamente, de um dourado difuso, descorado.
2 / 28

Por cima dos cumes das montanhas, por entre nuvens, a sugestão de um sol que espreita timidamente, de um dourado difuso, descorado.

O estaleiro da Barragem das Três Gargantas, em construção.
3 / 28

O estaleiro da Barragem das Três Gargantas, em construção.

A Ribeira de Shennong, um afluente do Yangtzé, junto a Badong. Estas imagens estão perdidas para sempre com a entrada em funcionamento da Barragem das Três Gargantas.
4 / 28

A Ribeira de Shennong, um afluente do Yangtzé, junto a Badong. Estas imagens estão perdidas para sempre com a entrada em funcionamento da Barragem das Três Gargantas.

A Ribeira de Shennong.
5 / 28

A Ribeira de Shennong.

No país dos "Dongs" - Na província de Guangxi. Os arrozais. Paletas coloridas. Lugar de paz e silêncio.
6 / 28

No país dos "Dongs" - Na província de Guangxi. Os arrozais. Paletas coloridas. Lugar de paz e silêncio.

Chegyang - Uma das oito aldeias da minoria étnica Dong. A Ponte do Vento e da Chuva - Yongyi.
7 / 28

Chegyang - Uma das oito aldeias da minoria étnica Dong. A Ponte do Vento e da Chuva - Yongyi.

A 19 quilómetros de Sanjiang, na província de Guangxi. A imensa beleza dos arrozais e das aldeias muito pobres, de casa de telhado negro, onde o arroz é seco "de cabeça" para baixo nos telhados e varandas das casas. É um arroz peganhoso, de que fazem um vinho excelente!
8 / 28

A 19 quilómetros de Sanjiang, na província de Guangxi. A imensa beleza dos arrozais e das aldeias muito pobres, de casa de telhado negro, onde o arroz é seco "de cabeça" para baixo nos telhados e varandas das casas. É um arroz peganhoso, de que fazem um vinho excelente!

Perto da aldeia de Lóngshéng, à beira do rio Sang Hé. Aldeias pitorescas de telhados negros, colinas arborizadas de chá, terraços de cultivo de arroz, a que o tempo chuvoso emprestou um ar bucólico. Tudo muito tranquilo e silêncioso.
9 / 28

Perto da aldeia de Lóngshéng, à beira do rio Sang Hé. Aldeias pitorescas de telhados negros, colinas arborizadas de chá, terraços de cultivo de arroz, a que o tempo chuvoso emprestou um ar bucólico. Tudo muito tranquilo e silêncioso.

Aldeia à beira do rio.
10 / 28

Aldeia à beira do rio.

Figuras de pedra com oferendas.
11 / 28

Figuras de pedra com oferendas.

Uma belíssima cabeça de Buda. É um lugar muito venerado e de peregrinação.
12 / 28

Uma belíssima cabeça de Buda. É um lugar muito venerado e de peregrinação.

Buda reclinado na praça principal.
13 / 28

Buda reclinado na praça principal.

Chegdu - Na Base de Pesquisa e Criação de Pandas Gigantes. Onde os pandas andam em liberdade, por um terreno enorme cheio de bambús e onde tive o privilégio de fazer festinhas a este "simpático", nada agressivo animal magnífico!
14 / 28

Chegdu - Na Base de Pesquisa e Criação de Pandas Gigantes. Onde os pandas andam em liberdade, por um terreno enorme cheio de bambús e onde tive o privilégio de fazer festinhas a este "simpático", nada agressivo animal magnífico!

Aqui o infantário. Todas as posições são válidas para uma soneca!
15 / 28

Aqui o infantário. Todas as posições são válidas para uma soneca!

A comer bambús.
16 / 28

A comer bambús.

São uma delícia!!!
17 / 28

São uma delícia!!!

Como no "Horizonte Perdido" de James Hilton, o longo percurso de 9 horas de carro (sem travões!) para Lijiang.
18 / 28

Como no "Horizonte Perdido" de James Hilton, o longo percurso de 9 horas de carro (sem travões!) para Lijiang.

Como no mágico "Shangri Lá", um horizonte a perder de vista!
19 / 28

Como no mágico "Shangri Lá", um horizonte a perder de vista!

Lijiang é como uma cidade encantada. Destruída por um terramoto, foi totalmente reconstruída com a ajuda da UNESCO e é património da Humanidade.
20 / 28

Lijiang é como uma cidade encantada. Destruída por um terramoto, foi totalmente reconstruída com a ajuda da UNESCO e é património da Humanidade.

Casas com telhados de madeira, onde não entra um prego e onde quase se tocam nas ruas estreitinhas.
21 / 28

Casas com telhados de madeira, onde não entra um prego e onde quase se tocam nas ruas estreitinhas.

Eu numa rua de Lijiang.
22 / 28

Eu numa rua de Lijiang.

A beira de todas as casas corre um canal que serve para tudo. Lavar a roupa, os legumes, arranjar o peixe.
23 / 28

A beira de todas as casas corre um canal que serve para tudo. Lavar a roupa, os legumes, arranjar o peixe.

Mais casas à beira do canal. A população pertence à étnia "Naxi" e ainda se vestem a rigor.
24 / 28

Mais casas à beira do canal. A população pertence à étnia "Naxi" e ainda se vestem a rigor.

A montanha do Pico de Jade. Himalaias à vista!
25 / 28

A montanha do Pico de Jade. Himalaias à vista!

No Lago do Dragão Negro.
26 / 28

No Lago do Dragão Negro.

Trajes tradicionais.
27 / 28

Trajes tradicionais.

Os guerreiros de terracota - Xian.
28 / 28

Os guerreiros de terracota - Xian.

A China é um país desmesuradamente grande e os cerca de 30 dias que por lá andei deram-me apenas um vislumbre da sua grandiosidade. Como destino de viagem oferece uma diversidade infinita de obras-primas históricas e arquitetónicas e paisagens naturais impressionantes! Esta grande travessia começou em Beijing (Pequim) e levou-me até Kunming e depois ao País dos "Dongs" e a Hong Kong. À descoberta dos tesouros fabulosos da China imemorial, das suas capitais imperiais com um passado glorioso, como Xi'an, antiga Chang'an, das suas paisagens cativantes do sul e das suas culturas preservadas, da etnia "Naxi" da região de Lijiang, vila inscrita como património mundial da UNESCO, nos contrafortes dos Himalaias e de Dali da etnia "Bai", ambas na província de Yunnan. No centro do itinerário, o cruzeiro pelo mítico rio Yangtzé e a passagem pelas imponentes e deslumbrantes Três Gargantas, hoje perdidas, submersas pela subida das águas da grande barragem. Rio acima desde Shashi, na província de Hubei, até Chongqing na província de Sichuan, a mais populosa da China, o trajeto entre Dazu e Anyue, com os seus locais de peregrinação Budista disseminados pela lindíssima região de arrozais em terraços e bosques de bambus. E ainda, sem fazer parte do itinerário, mas que me encheu de alegria e felicidade, a visita à Base de Pesquisa e Criação de Pandas Gigantes, em Chengdu. E que finalizou com a visita ao distrito autónomo dos "Dongs", passando por Wutong, o jardim de chá nas colinas da floresta, os imensos arrozais e a visita às joias arquitetónicas de Chengyang: as pontes Yongji, no condado de Sanjiang, classificadas como monumento histórico. E ainda Guilin e Yangshuo, um cruzeiro pelo feérico rio Li que com os seus montes cársicos (Karsts), ásperos maciços recortados, onde se agarram árvores nas vertentes buriladas em caneluras verticais, com altos picos cónicos, que transformam, no meio da neblina de um dia chuvoso, a paisagem num conto de fadas, que sempre inspiraram escritores e poetas como Hanyu, grande poeta da dinastia Tang. E para acabar em Hong Kong, que junto com Macau, os chineses chamam de "Territórios Especiais". E foi o regresso ao primeiro mundo! Hong Kong é rica, sofisticada e enquadrada numa paisagem belíssima! E apesar de ter ficado com uma boa imagem da China, ficou ainda tanto por ver! Tanto que eu gostava de visitar!!! Podia ainda contar-vos um pouco da sua história, mas por ser tão longa falo apenas das duas revoluções - a de Qin Shi Huangdi, primeiro imperador da China e a de Mao Tsé-Tung. A primeira acabou com a dinastia Qing e a segunda viu o Partido Comunista Chinês subir ao poder. Dois milénios separam o déspota imperialista do revolucionário comunista, contudo pode-se dizer que são "farinha do mesmo saco". Ambos déspotas cruéis. Ambos atingiram o poder pela força. Ambos suprimiram todos os dissidentes sem o menor escrúpulo. Ambos recrutaram centenas de milhares de pessoas para as obras públicas. E ambos unificaram a China. Vou começar estas crónicas exatamente pelos lugares remotos, pelas paisagens perdidas, pela China profunda. Porque foram as suas impressionantes paisagens naturais, as pitorescas aldeias rurais, as suas montanhas e vales a perder de vista, o universo de tradições coloridas onde as populações ainda vestem os trajes das suas etnias o que mais me impressionou e deixou em mim uma indelével marca, uma recordação para o resto da minha vida!