Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cancro do pâncreas: identificada a proteína responsável pelo tipo mais comum

VISÃO Saúde

GettyImages

Um grupo de investigadores da Universidade do Texas, nos EUA, identificou uma proteína oncogene responsável pelo tipo de cancro pancreático mais comum e mortal, o adenocarcinoma pancreático

Pedro Dias

Pedro Dias

Jornalista

A enzima USP21, uma protéase específica da proteína ubiquitina, foi validade enquanto a potencial responsável pelo adenocarcinoma pancreático. As protéases de ubiquitina são consideradas a maior família de enzimas das cisteíno protéases, um conjunto de enzimas que degrada proteínas. Segundo Ronald DePinho, coautor do estudo e professor de oncologia, têm também “um importante papel no desenvolvimento de tumores e na biologia de células estaminais cancerígenas”.

A análise genómica identificou uma amplificação frequente de USP21 em casos de adenocarcinoma pancreático. Esta superexpressão correlaciona-se com a progressão do cancro no adenocarcinoma, conduziu à transformação maligna de células pancreáticas humanas e promoveu o crescimento de tumores em ratos de laboratório”, disse o especialista.

Da mesma forma, os investigadores descobriram que uma diminuição da proteína USP21 prejudicava o crescimento de tumores no pâncreas. Tal deve-se à capacidade da USP21 de remover a ubiquitina das proteínas TCF7, que por sua vez promovem a rigidez das células cancerígenas.

A ubiquitina afeta as proteínas de diversas formas, entre elas, na regulação da sua estabilidade. Portanto, a falta de ubiquitina resulta na dificuldade de as células crescerem estáveis, assim como níveis elevados de ubiquitina têm o efeito oposto. É o que se passa no caso do cancro do pâncreas relativamente à enzima USP21.

A descoberta aponta a USP21 como um alvo potencialmente tratável, o que é muito importante para os casos de adenocarcinoma pancreático, que não respondem às opções terapêuticas disponíveis atualmente. Estudos anteriores já permitiram compreender as mutações genéticas que promovem o aparecimento desta doença, referiu DePinho.

“Estes eventos genéticos incluem oncogenes conhecidos e genes supressores de tumores, bem como numerosas anomalias genéticas novas”, disse. “Para além disso, a classificação do adenocarcinoma pancreatico com base em assinaturas moleculares sugere a existência de diversos potenciais impulsionadores oncogénicos, para diferentes subtipos de adenocarcinoma”.

“Mais ainda, os ratos de laboratório a que foi retirada a USP21 apresentam-se normais, o que sugere que isolar a USP21 pode ser uma vulnerabilidade específica do cancro”, remata o investigador.

ASSINE POR UM ANO A VISÃO, VISÃO JÚNIOR, JL, EXAME OU EXAME INFORMÁTICA E OFERECEMOS-LHE 6 MESES GRÁTIS, NA VERSÃO IMPRESSA E/OU DIGITAL. Saiba mais aqui.