Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Beber 25 cafés por dia ou beber só um? Para as artérias, é indiferente

VISÃO Saúde

Jacobs Stock Photography Ltd/ Getty Images

O café tem o poder de endurecer as artérias e, por isso, pode aumentar o risco de ataques cardíacos. Mas um novo estudo sugere que a quantidade bebida pouco influencia: beber um café por dia ou beber 25 é, para as artérias, a mesma coisa

Se bebe muitos cafés por dia, pode estar descansado (figurativamente). Um novo estudo do British Heart Foundation mostra que beber até 25 cafés por dia não é mais nocivo para as artérias do que beber menos de um.

Enquanto estudos anteriores demonstraram que o consumo de café, com ou sem cafeína, contribui para a rigidez arterial – o que pode levar ao aumento do risco de ataques cardíacos e AVCs – o novo estudo revela que a quantidade bebida não influencia.

Para chegar a esta conclusão, um grupo de investigadores da Queen Mary University of London estudou o efeito do consumo de café num total de 8,412 pessoas, divididas em três grupos. O primeiro grupo incluía as pessoas que bebiam menos de um café por dia, o segundo englobava quem bebia entre um a três cafés, e o terceiro juntava quem bebia mais de três.

A média de cafés bebida por dia pelo terceiro grupo era de 5 cafés, mas havia participantes que chegavam a beber 25. Os investigadores descobriram que, independentemente do número de cafés bebidos por dia, a probabilidade de sofrer de rigidez arterial era a mesma.

Os resultados foram obtidos com recurso a ressonâncias magnéticas ao coração e testes à velocidade de onda de pulso arterial; e foram consistentes independentemente de fatores como idade, peso, género e estatuto de fumador, entre outros.

Kenneth Fung, principal autor do estudo, comentou que “apesar de não conseguirmos provar uma ligação causal neste estudo, a nossa pesquisa indica que o café não é tão mau para as artérias como era sugerido em estudos anteriores”.

“Embora o nosso estudo incluisse pessoas que bebem até 25 cafés por dia, o consumo médio do grupo de maior consumo era de cinco cháavenas por dia. Gostaríamos de estudar estas pessoas mais aprofundadamente no futuro, de modo a podermos ajudar a sugerir limites saudáveis”, adverte.

Metin Avkiran, diretor médico da British Heart Foundation, acrescentou que “existem vários estudos sobre café que dizem coisas conflituosas, o que pode tornar difícil filtrar o que se deve acreditar do que não se deve. Esta investigação ira, esperançosamente, colocar alguns relatórios em perspetiva, ao riscar um dos potenciais efeitos nefastos no café sobre as nossas artérias”.

Conheça a nova edição digital da visão. leia grátis e tenha acesso a jornalismo independente e de qualidade AQUI