Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Guia dos medicamentos: Saiba para que servem, como atuam e os riscos dos psicotrópicos

VISÃO Saúde

FRANCK FIFE/Getty

Ansiolíticos, hipnóticos e sedativos, antidepressivos, antipsicóticos, psicoestimulantes... Guia pelo mundo dos medicamentos que atuam sobre o sistema nervoso central

Clara Soares

Clara Soares

Jornalista

ANSIOLÍTICOS, HIPNÓTICOS E SEDATIVOS

Para que servem

Perturbações ansiosas e insónias. Incluem as benzodiazepinas (BDZ), o grupo mais receitado no mundo, hipnóticos como o zolpidem e antidepressivos com perfil sedativo

Como atuam

Consoante a substância, promovem o relaxamento muscular, produzem efeitos analgésicos e atuam nos centros de sono do cérebro, aliviando sintomas de stresse, pânico e fobias

Efeitos secundários

Boca seca e confusão mental. Desaconselhada a condução. Uso prolongado de BDZ e similares induz dependência física e psicológica e problemas de memória, com perda de eficácia

Tome nota

Devem ser tomados em regime de SOS e, no caso das BDZ, pelo mais curto período de tempo possível. Alguns anti-histamínicos (hidroxizina) têm efeitos hipnóticos e baixa toxicidade, sendo usados para induzir o sono


ANTIDEPRESSIVOS


Para que servem

Os antidepressivos de terceira geração, como fluoxetina, paroxetina, sertralina e escitalopram, usam-se na depressão major e na ansiedade (pânico)


Como atuam

Inibem a recaptação da serotonina ou de outros neurotransmissores ligados ao humor, que ficam por mais tempo em circulação no cérebro, alterando a disposição

Efeitos secundários

Esta classe de antidepressivos (SSRI, SNRI e similares) é segura e eficaz, mas pode ter efeitos adversos no início da toma: agitação e alterações gastrintestinais, de apetite e da libido

Tome nota

Os suplementos e chás medicinais podem interagir negativamente com estes fármacos. Exemplo: chá de hipericão perforatum, conhecido por erva-de-são-joão. A suspensão não pode ser feita abruptamente: é preciso fazer o desmame com acompanhamento médico

ANTIPSICÓTICOS

Para que servem

Os mais recentes (olanzapina, clozapina, risperidona, etc.) são usados no tratamento da esquizofrenia e doutras perturbações psicóticas em que estão presentes delírios e alucinações

Como atuam

Bloqueiam nos recetores da dopamina e regulam o humor, evitando estados de apatia e agitação motora em crises da doença bipolar e nos casos de ansiedade grave


Efeitos secundários

Boca seca, rigidez muscular, tremores, inquietação, aumento de peso, bem como dos níveis de colesterol e dos níveis de açúcar no sangue

Tome nota

À semelhança do que sucede com os antidepressivos, os efeitos secundários são um entrave à adesão ao tratamento, que também não pode ser feito com a toma de álcool, mas a sua suspensão só deve ser feita com indicação médica, a fim de evitar o reaparecimento das crises


PSICOESTIMULANTES

Para que servem

Inicialmente prescritos para estados de fadiga crónica e de letargia, metilfenidato e similares são prescritos para o tratamento da perturbação de hiperatividade e défice de atenção

Como atuam

A recaptação da noradrenalina e da dopamina, ao nível do sistema nervoso central, permite aumentar a capacidade de estar atento por mais tempo e com menor impulsividade e agitação

Efeitos secundários

Arritmias e algumas alterações do humor

Tome nota

O abuso da utilização, sobretudo nas faixas etárias jovens, em que o cérebro ainda se encontra em formação, pode deixar marcas para a vida a nível neurológico

ASSINE AQUI A VISÃO E RECEBA UM SACO DE OFERTA