Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Cuidado, vêm aí as alergias. Saiba como proteger-se

VISÃO Saúde

A aproximação da primavera pode ser um martírio para quem tem rinite alérgica ou asma. É nesta altura que a polinização está em alta e provoca as maiores dores de cabeça. Mas não tem de ser assim

- Metade das pessoas pode não ter as alergias alimentares que pensa ter

- Sabe o que são as alergias?

Com a primavera vem, também, uma das doenças que mais afeta os portugueses: a alergia, seja em forma de rinite, asma ou conjuntivite. O pico de polinização das plantas e flores acontece nesta altura e traz problemas a “25% dos portugueses que se queixam de rinite” e aos “700 a 800 mil asmáticos”, segundo Pedro Martins, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica. “Há outras alturas do ano em que também encontramos valores altos de pólens, mas a primavera é, sem dúvida, a altura de maior incidência”.

As espécies que mais provocam alergias em Portugal são as gramíneas, uma grande quantidade de plantas com flor cuja reação alérgica se costuma designar de “febre dos fenos”, a parietária, que é planta muito comum em fissuras de rochas, paredes velhas e muros e a oliveira, a árvore que tem o tipo de pólen mais alergénico.

Este tipo de alergias tem na obstrução nasal o sintoma com mais consequências, desde perturbar o sono à fadiga anormal no dia seguinte, até ao aparecimento de tosse e irritabilidade brônquica que a respiração obrigatória pela boca acaba por condicionar.

De acordo com os dados da SPAIC, o número de pessoas alérgicas “parece ter estabilizado”, de acordo com Pedro Martins, embora esteja “em fase de crescimento”. A explicação é que estas alergias “são mais frequentes nos países industrializados e Portugal cresceu muito nos últimos anos”.

Apesar de não haver estudos conclusivos sobre a maior ou menor incidência de alergias nas zonas urbanas em detrimento das zonas rurais, a verdade é que “a poluição [mais frequente nas cidades] tem o efeito de tornar o pólen das plantas mais alergénico”, explica o médico especialista em imunoalergologia.

A melhor forma de controlar a alergia é seguir as recomendações do médico que, normalmente, passam por um spray nasal e um anti-histamínico. Mas há recomendações ambientais a seguir como forma de minimizar a exposição à fonte alérgica.

Conselhos para quem tem as doenças alérgicas mais comuns (rinite e asma)

- Mantenha as janelas fechadas sempre que viajar de carro

- Se anda de moto escolha um capacete integral

- Em casa deve manter as janelas fechadas quando a concentração de pólens é maior (entre as 22h e as 7h é quando é menor)

- À noite, quando se despir, deixe a roupa que utilizou durante o dia numa divisão diferente daquela onde vai dormir

- Use óculos escuros sempre que estiver na rua durante o dia

- O início da noite é a melhor altura para fazer exercício físico ao ar livre

ASSINE AQUI A VISÃO E RECEBA UM SACO DE OFERTA