Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Mega estudo mostra que os alimentos biológicos diminuem os riscos de cancro

VISÃO Saúde

A presença de resíduos de pesticidas na alimentação convencional pode explicar uma redução comparada de 25% no risco de ter doenças oncológicas por parte de consumidores de produtos biológicos, concluiu uma grande pesquisa de investigadores franceses

Setenta mil voluntários seguidos ao longo de sete anos, de 2009 e 2016. É esta a impressionante dimensão de um grande estudo científico realizado em associação entre o instituto de investigação agronómica francês e a Universidade Paris-XIII. Recentemente publicada na revista JAMA Internal Medicine, a mega pesquisa concluiu que quem consome preferencialmente produtos oriundos da agricultura biológica apresenta uma redução de 25% no risco de ter cancro.

A explicação "mais provável" para este resultado encontra-se na "presença de resíduos de pesticidas sintéticos, muito mais frequentes e em doses bem mais elevadas, nos alimentos provenientes da agricultura convencional, em comparação com os produtos biológicos", diz Emmanuelle Kesse-Guyot, investigadora envolvida no estudo.

Os 70 mil voluntários foram divididos em vários grupos, dos consumidores habituais de produtos biológicos aos que nunca os compram, passando por aqueles que ocasionalmente os adquirem. Durante os sete anos do estudo, surgiram no grupo de pesquisa 1 340 casos de cancros - e foi aqui que os investigadores detetaram a referida redução de risco de 25% de ter doenças oncológicas nos consumidores habituais de alimentos biológicos.

"Uma das grandes novidades nas conclusões deste estudo é a ligação altamente coerente com os resultados de pesquisas sobre a exposição profissional a pesticidas", diz o epidemiologista Philip Landrigan, do Boston College, dos EUA, que não participou na investigação francesa. Fica agora "muito reforçada a possibilidade de uma relação entre o risco evidenciado de doença oncológica e a presença de resíduos de pesticidas na alimentação", acrescenta Philip Landrigan.