Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Químicos presentes nos produtos de beleza podem ter impacto na fertilidade

VISÃO Saúde

DR

Uma pesquisa feita por investigadores americanos dá conta de que estes compostos também podem aumentar o risco de cancro de mama nas mulheres

Uma nova investigação de pesquisadores da Universidade George Mason, na Virgínia, EUA, alerta para o facto de os produtos químicos encontrados em cosméticos poderem afetar a fertilidade das mulheres ou até mesmo provocar cancro da mama.

A equipa de investigadores analisou amostras de urina de mais de uma centena de mulheres com idades compreendidas entre os 18 e os 44 anos que não tinham problemas de saúde e não utilizavam qualquer tipo de contraceção.

Foram descobertas ligações entre os químicos utilizados em cosméticos e produtos de higiene pessoal e mudanças na produção de hormonas sexuais: as mulheres que tinham presentes na urina substâncias como parabenos - conservante utilizado em cosméticos -, benzofenonas (utilizados como filtros UV) e bisfenol A também apresentaram quantidades anormais de estrogénios e progesterona, as hormonas sexuais femininas.

Níveis de estrogénio demasiado elevados têm sido associados ao desenvolvimento de miomas e a períodos menstruais irregulares. Já a carência desta hormona no sangue impede que os óvulos amadureçam e sejam libertados do ovário.

Em relação à progesterona, a sua concentração excessiva está ligada ao aumento do risco de cancro de mama e a sangramentos vaginais incomuns. O composto químico bisfenol A (BPA), que pode ser encontrado em produtos de beleza, foi associado a vários problemnas de fertilidade nas mulheres.

“O que devemos tirar deste estudo é que precisamos de ter muito cuidado com os produtos químicos presentes nos produtos de beleza e de higiene pessoal que usamos", refere Anna Pollack, uma das autoras do estudo, que foi publicado na revista científica Environment International.

“Temos indicadores ainda muito precoces de que substâncias químicas, como os parabenos, podem aumentar os níveis de estrogénio" continua. "Se esta descoberta for confirmada por pesquisas adicionais, isso pode ter implicações para doenças que dependem das concentrações e estrogénio, como é o caso do cancro da mama".