Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Gene que provoca cancro "saltou" das plantas para os humanos

VISÃO Saúde

Getty Images

Os dois genes identificados na sequência do maior estudo de sempre sobre os chamados "genes saltadores" chegaram aos mamíferos como ADN "estrangeiro". Esta é a primeira vez que se prova que o L1, determinante nos humanos, saltou entre espécies

Cientistas da Universidade de Adelaide, na Austrália, conseguiram provar que uma transferência em larga escala de genes entres espécies mudou radicalmente o genoma dos mamíferos.

Os investigadores identificaram dois genes "saltadores" em particular - o L1 e o BovB - que são pequenas peças de ADN que podem copiar-se a si próprias dentro um genoma e que são, por isso, conhecidos como elementos transponíveis. Estes dois genes foram identificados em 759 espécies de plantas, animais e fungos.

"Os genes saltadores copiam-se e colam-se a eles próprios nos seus genomas e em genomas de outras espécies", explica David Adelson, da Universidade de Adelaide. Como é que isso acontece? Não há certezas, mas os investigadores apontam para insetos ou vírus como causas deste processo.

"Pensem num gene saltador como um parasita. O que está no ADN não é muito importante - é o facto de se introduzirem noutros genomas e causarem perturbações nos genes e na forma como são regulados", acrescenta.

O estudo, publicado no Genome Biology, concluiu ainda que esta transferência "horizontal" genética foi muito mais generalizada do que se supunha.

Em humanos, os elementos L1 têm sido associados a casos de cancro de doenças neurológicas. Compreender de onde vem este elemento pode ser crucial para perceber a evolução detas doenças.

O outro gene saltador encontrado, o BovB, foi descoberto primeiramente em vacas, mas chegou a vários animais, incluindo répteis, elefantes e marsupiais.