Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Computador melhor do que médicos a detetar cancro da pele

VISÃO Saúde

Getty Images

Teste feito por equipa internacional de médicos conclui que sistema de inteligência artificial falha menos do que dermatologistas na análise de sinais

Sara Sá

Sara Sá

Jornalista

Há quem veja a inteligência artificial como uma ameaça e quem a encare como um complemento, capaz de concluir tarefas que melhoram e simplificam a vida a nossa vida à face da Terra. A Medicina está já cheia de exemplos de como os sistemas ditos inteligentes, em que a máquina é capaz de aprender, podem substituir ou complementar o trabalho dos profissionais de saúde.

Um dos grandes desafios, nestes casos, é garantir que as aplicações informáticas são tão exatas, ou, de preferência, mais rigorosas ainda do que os humanos. E foi isso que um estudo feito por uma equipa de especialistas da Alemanha, França e Estados Unidos mostrou. Um sistema de inteligência artificial ensinado a distinguir lesões da pele, diferenciando as malignas das benignas, mostrou ser mais exato do que os próprios dermatologistas.

Durante o processo de aprendizagem, os investigadores mostraram ao computador cem mil imagens de sinais. Depois, fez-se o teste: máquina versus homem. Imagens de marcas da pele foram analisadas por 58 dermatologistas, de 17 países. Mais de metade deles com mais de cinco anos de experiência. E neste combate, ganhou a máquina: 86,6% contra 95% de precisão no diagnóstico. Em resumo, a máquina ofereceu maior sensibilidade na deteção de tumores malignos e também menor taxa de falsos positivos. Os resultados foram divulgados na publicação científica Annals of Oncology e são particularmente relevantes tendo em conta que o número de tumores da pele tem vindo a crescer em todo o mundo. Além disso, um diagnóstico precoce é determinante no resultado do tratamento. Depois de disseminado, o melanoma, que é a forma mais grave da doença, é muito difícil de tratar. Numa fase inicial, o tratamento é simples e eficaz.

Uma ferramenta destas também se torna particularmente útil em regiões onde o acesso a um médico especialista não é possível.