Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Como encontrar sinais de Alzheimer nos seus amigos e familiares

Visão Mais

GSO Images

Apesar de ser a forma mais comum de demência e de não ter cura, um diagnóstico precoce pode amenizar os sintomas.

Mariana da Silva Godinho

O Alzheimer é o tipo de demência mais comum constituindo entre 50% a 70% de todos os casos, segundo a Associação Portuguesa de Familiares e Amigos dos Doentes de Alzheimer.

É uma doença degenerativa crónica. Os doentes vão perdendo capacidades de memória, de concentração, de atenção, de linguagem e de pensamento. Consequentemente há também mudanças de personalidade e no comportamento.

Apesar de não ter cura, quando os diagnósticos são feitos no estado inicial da doença, é possível amenizar alguns dos sintomas.

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS) divide os estados da doença em três fases e expõe alguns sintomas aos quais devemos estar atentos se suspeitamos que alguém à nossa volta tenha Alzheimer.

SINTOMAS PRECOCES

O principal sintoma são as falhas na memória, como por exemplo

- esquecer-se das conversas ou eventos recentes
- perder coisas
- esquecer-se de nomes, lugares e objetos
- ter dificuldades em pensar na palavra certa
- fazer perguntas repetitivas
- mostrar mau julgamento ou ter mais dificuldade em tomar decisões
- tornar-se menos flexível e mais hesitante em experimentar coisas novas

Ainda fazem parte destes sintomas precoces as alterações de humor, ansiedade, agitação e confusão.

SINTOMAS INTERMÉDIOS

Quando os problemas de memória pioram ainda mais, como por exemplo

- maior confusão e desorientação - perder-se ou andar a vageuar sem saber que horas são ou que dia é
- comportamentos obsessivos, repetitivos ou impulsivos
- ilusões (acreditar em coisas que são falsas) ou sentir-se paranóico e desconfiado em relação a auxiliares de saúde ou membros da família
- problemas na fala ou na linguagem (afasia)
- sono perturbado
- oscilações de humor frequentes, depressão e sentir-se cada vez mais ansioso, frustrado ou agitado
- dificuldade em realizar tarefas espaciais, como calcular distâncias
- ver ou ouvir coisas que outras pessoas não fazem nem dizem (alucinações)

Nesta fase já é preciso alguém a tomar conta do doente para as tarefas diárias.

ÚLTIMOS SINTOMAS

A fase que se torna mais complicada não só para o doente, como também para a(s) pessoa(s) que toma conta, amigos e família

- dificuldades em comer e engolir (disfagia)
- dificuldades em mudar de posição ou movimentar-se sem ajuda
- perda de peso - às vezes grave
- incontinência urinária e incontinência intestinal
- perda gradual da fala
- problemas significativos na memória de curto e longo prazo

Nesta fase os doentes também se podem tornar violentos e desconfiados com as pessoas á sua volta.