Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Afastamento precoce das mães, ainda que breve, altera funções cerebrais e cognitivas

Visão Mais

D.R.

Um estudo feito em ratos concluíu que as disfunções encontradas nos cérebros dos animais que foram separados precocemente das progenitoras podem estar relacionadas com doenças psíquicas como a esquizofrenia. As semelhanças com o nosso cérebro fazem os investigadores acreditar que os resultados serão os mesmos em humanos

Mariana da Silva Godinho

Um estudo da Universidade de Indiana, EUA, estudou as alterações que a separação materna precoce provocava em ratos e concluíu que, como estes roedores e os humanos têm cérebros com uma estrutura e conectividade semelhantes, é possível que crianças afastadas cedo das mães "correm maior risco de vir a ter vícios e doenças mentais, incluindo esquizofrenia", como escreve Brian F. O'Donnell, um dos autores do estudo.

Para a investigação, alguns ratos foram retirados às mães durante 24 horas nove dias depois de nascerem, uma altura importante para o desenvolvimento cerebral. Ao contrário dos que permaneceram com a progenitora, estes roedores, na idade adulta, revelaram anomalidades a nível comportamental, psicológico, biológico e cerebral.

"Neste estudo, encontrámos danos na memória, bem como menos comunicação entre as regiões do cérebro, nos animais que foram afastados das suas mães, entre outras alterações neurológicas", explica Sarine Janetsian-Fritz, outra das autoras do estudo.

Estas conclusões e maior conhecimento em relação ao cerebro deixam os cientistas cada vez mais perto de chegar a tratamentos para estes problemas, mas por perceber fica o porquê de os sintomas aparecerem tão tarde.