Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Testada pílula masculina com resultados promissores

Visão Mais

Ainda em fase experimental, a nova pílula masculina foi apresentada no domingo, em Chicago, promove uma resposta hormonal nos homens capaz de garantir uma contraceção efetiva

Paulo Miguel Godinho

DMAU, ou undecanoato de dimetandrolona, combina a atividade da testosterona com a progestina para travar a fertilidade masculina e é apresentado por Stephanie Page, investigadora sénior do estudo, como "um passo importante na direção do desenvolvimento de uma pílula masculina' diária".

O novo medicamento não parece causar nenhum dos problemas associados à toma oral de testosterona, como o risco de inflamação do fígado e a necessidade de administração com frequência superior a uma vez por dia, uma vez que desaparece do organismo rapidamente.

Como contém undecanoato, que é um ácido gordo de cadeia longa, que atrasa a libertação da testosterona do organismo, o DMAU pode ser tomado apenas uma vez por dia.

Para o estudo, que teve lugar no Centro Médico da Univerisdade de Washington e do Centro Médico Harbor-UCLA, na Califórnia, foram efetuados testes em 100 homens saudáveis, num intervalo etário compreendido entre os 18 e os 50 anos, divididos por grupos, durante 28 dias. Foram testadas três dosagens difererentes deste medicamento - 100, 200 ou 400 mg - e dois tipos de formulação - pó ou "óleo de castor".

Do total de participantes no estudo, 83 levaram a experiência até ao fim.

No grupo em que foi dada a dose de 400, os participantes apresentaram um decréscimo nos níveis de testosterona e das duas hormonas envolvidas na produção de esperma - a folículo-estimulante (FSH) e a lutenizante (LH), produzidas no hipotálamo. Algo que para Stephanie Page é consistente com uma contraceção masculina eficaz.

"Embora mostrem níveis baixos de testosterona em circulação, muito poucos sujeitos reportaram sintomas consistentes com deficiência ou excesso de testosterona", acrescenta a investigadora.

O próximo passo prende-se com a confirmação de que o DMAU inibe a produção de esperma, quando administrado diariamente, estando já a ser desenvolvidos estudos para com esse propósito, garante Page.