Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Um ovo por dia pode melhorar o desenvolvimento cerebral dos bebé

Visão Mais

Uma nova investigação sugere que dar um ovo por dia a uma criança com mais de 6 meses fornece nutrientes ao cérebro do bebé que ajudam ao seu desenvolvimento

Cátia Leitão

Investigadores de várias universidades dos Estados Unidos concluíram que os bebés que comiam um ovo por dia a partir dos seis meses de idade e pelo menos até ao primeiro aniversário registavam concentrações elevadas de nutrientes que ajudam ao desenvolvimento e ao bom funcionamento de cérebro.

Os bebés que tinham ovos na sua alimentação diária apresentaram valores elevados de colina, outros marcadores biológicos relacionados com a mesma vitamina e ácido docosa-hexaenoico (DHA). A colina é um elemento que faz parte da vitamina B e que tem efeitos positivos no fígado e nos sistemas nervoso e cardiovascular. A falta de colina está associada a problemas renais, musculares e ósseos, hemorragias, alguns tipos de cancro, perda de memória e atrasos no crescimento e desenvolvimento cerebral. O DHA, por sua vez, é um ácido que faz parte do complexo ómega 3 e que contém propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Também revela benefícios ao nível do cérebro e da memória.

Lora Iannotti, autora do estudo e professora da Universidade de Washington em St. Louis, diz que "os ovos têm sido consumidos ao longo da história humana, mas o potencial total deste alimento nutricionalmente completo ainda não foi reconhecido em muitos locais ao redor do mundo com poucos recursos". Lora acrescenta que "tal como o leite ou as sementes, os ovos são projetados para apoiar o crescimento precoce e desenvolvimento de um organismo e, portanto, são densos em conteúdo de nutrientes" além disso "os ovos fornecem ácidos graxos essenciais, proteínas, colina, vitaminas A e B12, selénio e outros nutrientes em níveis iguais ou superiores aos encontrados noutros produtos alimentares de origem animal, mas são relativamente mais acessíveis".

Este estudo analisou 163 bebés entre os seis e os nove meses de idade no ano de 2015 no Equador. A investigação dividiu os bebés em dois grupos distintos: um dos grupos, com 80 participantes, comia um ovo por dia e o outro grupo não comia esse alimento. Através de recolhas de sangue, os investigadores mediam os níveis de vitaminas e minerais dos bebés e assim concluíram que o grupo de crianças que incluía ovos na sua alimentação registava níveis de colina e DHA mais elevados, o que melhorava o desenvolvimento e funcionamento de cérebro dessas crianças.

Num artigo anterior, baseado no mesmo estudo e publicado na revista Pediatrics, lia-se que introdução de ovos na alimentação das crianças em tenra idade melhora significativamente o seu crescimento e reduz o risco de um crescimento atrofiado e de baixo peso.

A investigação foi publicada no jornal American Journal of Clinical Nutrition e desenvolvida por autores das universidades Johns Hopkins, do Texas e de Maryland.