Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Não quer que o seu filho se torne obeso? Desligue a TV, recomenda a ciência

Visão Mais

Chris Stein/ Getty Images

Quanto mais tempo o seu filho passa à frente de ecrãs de televisão, computadores e afins, maior probabilidade tem de vir a tornar-se obeso. A teoria é reforçada por um novo estudo a nível europeu

Um grupo de investigadores de várias universidades europeias encontrou uma ligação entre o aumento dos níveis de obesidade infantil e a exposição frequente a redes sociais e televisão.

O tempo que as crianças são expostas a ecrãs deve ser limitado a 90 minutos (uma hora e meia) por dia, recomendam os cientistas aos pais, de acordo com os resultados que obtiveram no estudo publicado no jornal Acta Paediatrica.

"Os pais devem limitar a visualização de televisão e o uso de computadores e aparelhos semelhantes a não mais de 1,5 horas por dia, e só se a criança tiver mais de 4 anos de idade", recomenda Adamos Hadjipanayis, pediatra no Larnaca General Hospital, no Chipre, e um dos autores do estudo.

O grupo recomenda ainda que não sejam colocadas televisões nos quartos das crianças e que esta permaneça desligada nas horas das refeições e de estudo. Às crianças com menos de 12 anos, também não deve ser dado um smartphone.

Na Europa, 97% das casas possui pelo menos uma televisão enquanto que 72% das crianças têm acesso a computador, reporta o estudo, que adianta ainda que os menores de quatro anos passam, em média, uma hora por dia a ver televisão. Dos quatro anos para cima, a criança começa a entrar em contacto com "outros tipos de media" e o tempo que passa frente aos ecrãs aumenta exponencialmente para uma média de 7,25 horas diárias.

De acordo com o estudo, estes padrões contribuíram para o aumento da obesidade infantil assistido nos últimos 25 anos na Europa. Nos dias de hoje, cerca de uma em cada dez crianças, dos 5 aos 17 anos de idade, sofre de obesidade ou excesso de peso, reporta a Organização Mundial de Saúde (OMS) - o equivalente a, mais concretamente, 19% da população infantil europeia.

Para resolver este problema, os pais devem tentar entender o impacto que as redes sociais (e os hábitos alimentares) têm na vida e na saúde dos seus filhos, advertem os cientistas.

E para tal ser possível, "os pediatras devem informar os pais acerca do risco generalizado que o uso de meios de comunicação de massa representa para o desenvolvimento cognitivo e físico dos seus filhos", afirma Hadjipanayis.

O estudo afirma também que ver televisão e usar as redes sociais antes de dormir pode perturbar os padrões de sono dos mais novos, o que também pode, por si, contribuir para a obesidade.

Os cientistas acreditam que os próprios pais devem dar o exemplo e reduzir o tempo que eles proprios gastam no consumo de media, especialmente na presença dos filhos. Usar a televisão como uma "técnica de babysitting" também não é aconselhável.