Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

8 técnicas para conciliar uma relação com uma carreira exigente

Visão Mais

São vários os casais de celebridades que se separam todos os anos. Quando as duas partes da relação desejam ter carreiras de sucesso, o amor parece acabar sempre por ser deixado de lado. Ou será que não?

Vários especialistas em relacionamentos dizem que é possível conciliar relações duradouras com cargos de alta importância - desde que ambos os elementos estejam dispostos a trabalhar por isso.

A maior dificuldade para conciliar todos os prós e contras de uma relação com os de duas carreiras exigentes é a falta de tempo. É, pelo menos, a convicção de Michael McNulty, instrutor do The Gottman Institute e fundador do Chicago Relationship Center. Ao Business Insider, o especialista explica que os casais em maior risco são aqueles que valorizam preferencialmente a carreira em detrimento da relação, tornando-a frágil. "Ter um cônjuge viciado em trabalho pode ser considerado uma traição da mesma dimensão que um caso extramarital". Pelo contrário, "quando ambos os parceiros têm um forte empenho na relação, criam uma forte sensação de confiança, o que faz com que o amor dure", acrescenta McNulty.

Estas oito técnicas propõe-se ajudar qualquer casal a conciliar o trabalho com o amor, e os seus respetivos prazeres e responsabilidades:

Priorizar o tempo passado juntos

Partilhar experiências é essencial para o bom funcionamento de uma relação.

Mark Zuckerberg, o criador do Facebook, por exemplo, escreveu um "acordo relacional" com a sua mulher Priscilla Chan quando eram ainda namorados. No acordo, Zuckerberg comprometia-se a levar Chan a uma saída romântica por semana e a passar 100 minutos do seu tempo livre com ela, fora do escritório ou de casa.

McNulty diz que criar rituais pode ajudar. "Rituais são maneiras mais formais de se relacionar e garantir que os cônjuges reservam tempo um para o outro ou para as suas famílias - e para fazer planos específicos daquilo que querem fazer", explica.

Seja um plano mais elaborado ou uma simples saída a dois, os casais mais ocupados devem ter mais atenção ao seu tempo, de modo a conseguirem aproveitar em conjunto todas as pequenas coisas que dão significado à relação, diz o instrutor.

Ser altruísta

Laurie Gerber, life-coach da consultora Handel Group, diz que ter práticas altruístas ajuda os casais a sentirem-se realizados.

Há dois anos, Zuckerberg e Chan lançaram a Chan Zuckerberg Initiative, uma autointitulada "empresa filantrópica" que apoia setores como a medicina e a educação. Também o casal Gates – Bill Gates e Melinda Gates - têm uma fundação conjunta desde o ano 2000.

"As pessoas dedicadas a fazer o mundo melhor ou aquelas com um lado espiritual tendem a ter uma maior hipótese de sucesso no relacionamento, porque não dependem de fatores externos apenas para se sentirem bem", explica Gerber.

Ouvir e sentir empatia

Mandar mensagens de texto não é suficiente. É importante "dispender tempo todos os dias para falar com o cônjuge, pessoalmente ou por telefone, sobre a vida um do outro", afirma McNulty.

"Foque-se nos eventos ou coisas stressantes que são importantes para o seu parceiro. Oiça. Ajude o seu cônjuge a expressar os seus sentimentos. Empatize. Mostre apoio. Não tente resolver nem consertar os problemas de imediato. Muitos de nós apenas querem ser ouvidos", explica.

McNulty classifica esta conversa como uma "conversa redutora de stress", uma técnica utilizada por todos os casais com sucesso marital pós-terapêutico. "As relações dos casais ocupados e bem-sucedidos sofrerão, caso não encontrem uma forma de ter este tipo de conversa regularmente", diz.

Falar dos problemas antes que seja tarde de mais

Se há coisa que as pessoas com pouco tempo livre sabem, é isto: o tempo é demasiado escasso para guardar rancores. E isso engloba, claro está, a relação. O truque reside em expressar os desejos e os desagrados em tempo útil.

"Somos muito adversos ao conflito na nossa cultura e, portanto, certas vezes as pessoas tem medo de se manifestar sobre o que precisam umas das outras", diz McNulty. " E depois, o que tende a acontecer é que as pessoas guardam as suas queixas e têm quase de desenvolver um sentimento de hipocrisia antes de se permitirem a si próprias a expressar as suas necessidades e sentimentos".

E essa hipocrisia leva a falhas de comunicação perfeitamente evitáveis.

Valorizar o outro

Contar diariamente um ao outro aquilo que se aprecia e admira nele pode ser um grande passo para o sucesso de uma relação, diz McNulty.

"Pode ser sobre quem o seu cônjuge é ou sobre algo que ele ou ela fez recentemente. Se os parceiros viajarem ou tiverem horários diferentes, poderão ter de fazer isto pelo telefone", explica.

Mais uma vez, mandar mensagens de texto, embora ajude, não é suficiente para demonstrar carinho e admiração pelo parceiro. É necessário valorizar assuntos sérios e, de preferência, pessoalmente.

"Dizer algo como 'não sabes o quanto apreciei teres ouvido o nosso filho ontem à noite, quando ele estava tão chateado' tem um impacto muito maior quando o seu cônjuge vê a sua expressão facial ou ouve a sinceridade no tom da sua voz", diz.

Concordar com o outro sobre assuntos importantes

Assuntos importantes para o casal, como limites pessoais, necessidades sexuais e amorosas e alguns comportamentos a adoptar, devem ser discutidos e acordados desde cedo. “Dois egos num casamento podem ser muito bons, se todos os assuntos importantes forem acordados previamente”, diz Gerber.

Segundo a life-coach, a maioria dos relacionamentos termina devido a casos extraconjugais. “Os casais que enfrentam esta ameaça de cabeça erguida e lidam com ela têm uma maior probabilidade de sucesso”, diz.

“Saiba com o que o seu parceiro consegue lidar, o que ele quer, e quais as contrapartidas de lidar diretamente com o facto de casos extra maritais serem uma opção”, recomenda.

Para ajudar a definir limites numa fase mais avançada da relação, ambos os parceiros podem apresentar por escrito uma listra de limites e expectativas em relação ao outro e à relação, logo desde o início.

“Não tenha medo de colocar tudo por escrito, de forma a poder ser consultado como um documento”, diz Gerber. “E planeie reuniões sobre a forma como estão a gerir o casamento, tal como o faria para a sua empresa ou qualquer outro projecto com que se preocupasse profundamente”.

Comprometer-se um com o outro acima de tudo

“A relação deve vir em primeiro lugar”, afirma McNulty. Para ter sucesso no amor, os casais mais ocupados devem comprometer-se um com o outro antes de qualquer outra coisa.

“Uma carreira de sucesso e um ambiente de trabalho emocionante podem distrair os parceiros da sua relação e da família que criaram”, explica. “Cada parceiro tem de ser capaz de confiar que o outro o apoia, e de que tencionam fazer todos os possíveis para se entender e amparar mutuamente”.

Trabalhar num sítio que valorize as relações familiares

Se trabalha num sítio que percebe a importância da família no dia-a-dia dos trabalhadores, está com sorte. Ambientes de trabalho que promovem o balanço entre a vida familiar e profissional podem ter um impacto muito positivo para a boa manutenção do casamento.

“Se existe a perceção de que as famílias estão em primeiro lugar e de que fazer parte de um bom casamento ou vida familiar complementa o que se passa na vida profissional – isso pode fazer maravilhas pela família”, explica McNulty. “Pode influenciar a forma de como as pessoas se sentem em relação aos seus casamentos e pode promover melhores valores entre os empregados”, acrescenta.

Ter sucesso profissional não é, portanto, sinónimo de ter insucesso amoroso. E se os casais com cargos importantes conseguem manter boas relações, mesmo com pouco tempo em mãos, porque não conseguirá qualquer casal?