Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

É obcecado(a) por aquilo que come? Tem ortorexia

Visão Mais

Mário João

A preocupação excessiva pela comida “pura” leva ao isolamento social e a falhas alimentares

Apesar de ainda não ter sido reconhecido como um distúrbio alimentar, a ortorexia nervosa está no centro de várias discussões. A mania de comer alimentos “puros”, sem açúcar ou glúten, por exemplo, está a levar a comportamentos obsessivos.

O termo, criado em finais da década de 1990, pelo médico norte-americano Steven Bratman, junta a palavra "correto" – do grego orthos – com “apetite”– orexis – (de onde vem, também, a palavra anorexia, ou, sem apetite, que é considerada um distúrbio alimentar).

A palavra foi usada por Bratman para classificar quem “tem uma fixação em apenas ingerir comida saudável”.

Segundo o médico, uma pessoa com ortorexia nervosa é obcecada por comer de forma correta, mas isso não quer dizer que apenas elimine os alimentos com açúcar, salgados ou o fast food. Preocupa-se, isso sim, com qualquer coisa que coma e o que esse alimento contém, de forma a alimentar-se de acordo com aquilo que acha certo para o seu corpo.

A crescente mania em comer de forma “limpa” trouxe de novo para a ribalta mediática a ortorexia.

Patrick Denoux, professor de psicologia da Universidade de Toulouse, em França, referiu ao jornal The Independent que os ortoréxicos “estão aprisionados a uma série de regras que impõem a si próprios” e que isso pode levar ao “isolamento” social, dado que faltam a reuniões familiares ou com amigos em que haja comida envolvida e, não raras vezes, põem a sua saúde em risco.

A obsessão cultural com a comida “limpa”, muitas vezes aliada a estilos de vida saudáveis propalados pela publicidade, levou a que muitas pessoas passassem a olhar para todos os rótulos e a dissecar cada uma das linhas que fala em calorias ou açúcar. Além disso, há quem só coma determinados alimentos, em detrimento de carne, peixe ou ovos, e fique, assim, com carências alimentares, nomeadamente de nutrientes.

Steven Bratman, que reconheceu ser ele próprio um ortoréxico, disse recentemente: “Como deixou de ser aceitável que uma pessoa magra conte as calorias que consome, muitas pessoas que seriam diagnosticadas como anoréticas falam em ‘comer de maneira saudável’, o que, por coincidência, implica escolher apenas alimentos com baixo teor calórico”.

Se pensa que tem um comportamento ortoréxico pode fazer o teste de Steven Bratman aqui