Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Depois do hygge e do lagom, eis o ikigai, a receita japonesa para viver muito e feliz

Visão Mais

DR

Sentirmo-nos úteis, mantendo-nos ativos e valorizados pela sociedade é um dos segredos desta filosofia de vida japonesa. O outro é procurar nas memórias da infância a nossa verdadeira paixão

Hygge, lagom ou ikigai. As palavras podem ser novas, mas os seus significados têm anos de experimentação entre os humanos. Em 2016, o hygge, segredo dinamarquês para a felicidade, bradava aos quatro ventos esta espécie de aconchego, uma filosofia de vida que aconselha a fazer coisas tão simples como beber um chá quente em frente à lareira, reunir com amigos e famílias ou ler um livro – no fundo, a obrigar-se a ter tempo para os pequenos prazeres da vida. Depois, já este ano, vieram os suecos ensinar a sermos felizes e a viver bem com o lagom, um estilo que privilegia a harmonia, o equilíbrio, a moderação, a satisfação e até a sustentabilidade, mas na dose certa.

Em Ogimi, uma vila japonesa, em Okinawa, conhecida por deter o recorde de centenários no Guiness, Francesc Miralles e Héctor García descobriram a receita japonesa para a felicidade e a longevidade, divulgada no livro Ikigai – Viver Bem Até Aos Cem, já publicado em 32 países, incluindo em Portugal.

A palavra ikigai não tem tradução literal, mas o seu significado anda à volta de uma razão para se estar vivo ou a alegria de se manter ativo. A palavra é composta pela palavra iki, que significa vida, e kai, o resultado de uma determinada ação, explicou Héctor Garcia ao jornal britânico Independent. Este conceito japonês chega mesmo a ser a antítese do hygge dinamarquês: em vez de incentivar as pessoas a abrandarem o ritmo de vida, diz-lhes para não pararem, não se reformarem e manterem-se sempre ativos encontrando a verdadeira paixão, capaz de os mover.

Existem estudos que demonstram que perder o objetivo de vida pode ter um efeito prejudicial. Por exemplo, as pessoas quando deixam de trabalhar ficam mais propensas a contrair doenças. Mas o ikigai não é um conceito individualista centrado na auto-preservação. “As ligações sociais são tão importantes como qualquer sensação de paz interior”, diz Héctor García.

Ao conhecerem a vila japonesa de Ogimi e a sua população centenária, Francesc Miralles e Héctor García perceberam que um dos maiores segredos para uma vida longa e saudável é a regra dos 80 por cento – não comer mais do que 80 por cento da sua fome, porque as células oxidam de forma mais lenta e a digestão é mais rápida e eficaz.

O nosso ikigai pode ser encontrado no cruzamento entre o que somos bons a fazer e o realmente gostamos de fazer. “Paro várias vezes ao longo do dia para me questionar: ‘por que estou a fazer isto?’. É preciso aprender a fazer mudanças no estilo de vida. “Tornei-me mais forte no meu trabalho diário quando aprendi a dizer ‘não’ a coisas que me desagradam e nas quais não sou bom, focando-me em situações de que gosto e que sou bom”. Héctor García passou também a dedicar mais tempo a hobbies como yoga e fotografia e está cada vez mais a gostar dessa mudança.

Princípios do Ikigai

- Não deixe de trabalhar. Esqueça a reforma – no Japão, por exemplo, esta palavra nem existe

- Faça voluntariado e mantenha-se ativo

- Faça exercício físico com movimentos lentos

- Dedique mais tempo a hobbies preferidos

- Na alimentação, coma apenas 80% da sua fome

- Ter a família e os amigos por perto ajuda em todos os momentos

- Contactar com a Natureza recarrega as baterias

- Saiba dizer “não” ao que não gosta de fazer

- Procure nas memórias da infância a paixão