Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Nove truques que podem ajudá-lo a parecer instantaneamente mais competente

Visão Mais

Oli Scarff/ Getty Images

Já se sentiu pouco à vontade para mostrar o que vale no local de trabalho? A ciência contribui com algumas dicas que o podem ajudar a parecer mais competente do que aquilo que sente que é, em momentos de pressão

Nem sempre nos sentimos confiantes e competentes. Principalmente quando estamos inseridos num ambiente de trabalho desafiante e stressante. Uma boa ajuda pode estar na adoção destes truques, sugeridos pela ciência, que o podem ajudar a parecer mais competente... mesmo quando sente o contrário.

Usar maquilhagem no caso das mulheres

Um estudo conduzido por Nancy Etcoff da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, concluiu que as mulheres que usam maquilhagem são classificadas como mais competentes do que as que não usam. Para o estudo, mais de 250 participantes analisaram fotografias de 25 mulheres com diferentes tipos de maquilhagem: um quarto delas não tinha maquilhagem de todo; um quarto tinha alguma maquilhagem, de forma a parecer natural; um quarto tinha mais maquilhagem do que o grupo anterior, moderadamente, de forma a parecer profissional; e, por último, um quarto tinha bastante maquilhagem para uma aparência glamourosa. Ao analisarem as fotografias, os participantes classificaram as mulheres com uma aparência glamourosa como mais competentes e as mulheres que não usavam maquilhagem como as menos competentes.

Pedir conselhos

Se tem medo de pedir conselhos, então perca-o. Não só é útil como pode fazê-lo parecer mais competente.

Um estudo conduzido por investigadores da Harvard Business School sugere que o ato de pedir conselhos pode, ao contrário do que se pensa, ser associado a uma maior competência. Para o estudo cerca de 170 estudantes universitários completaram uma série de tarefas informáticas. De seguida, foram informados de que teriam um parceiro que completaria as mesmas tarefas (o parceiro era apenas uma simulação do computador). Após ter completado as tarefas, alguns dos “parceiros” pediram conselhos aos estudantes: “Espero que tenha corrido bem. Tem algum conselho?”

No fim, os estudantes aos quais foram solicitados conselhos classificaram os “parceiros” como mais competentes.

Segundo os autores do estudo, quando se pede um conselho valoriza-se a inteligência e experiência da outra pessoa, o que faz com, por outro lado, o interlocutor se sinta bem e o valorize de volta.

Mas não se for um homem numa posição de liderança

Se é homem e está numa posição de liderança, talvez seja melhor esquecer o ponto anterior.

Um estudo, conduzido por uma equipa de investigadores americanos, revelou que o pedir conselhos pode fazer com que líderes masculinos pareçam menos competentes. Para o estudo, 65 estudantes participaram em vários desafios, ocupando, à vez o lugar de "líder do dia".

O comportamento deste líder temporário foi, em seguida, avaliado pelos seus pares: uns responderam a questões sobre a frequência com que o líder procurava ajuda enquanto outros responderam a questões sobre o quão competente o mesmo líder parecia. Os resultados revelaram que os líderes masculinos que procuravam ajuda com frequência foram classificados comomenos competentes comparativamente com aqueles que pediam ajuda com menos frequência.

Agir com um pouco de frieza

Um estudo conduzido por psicólogos belgas e americanos sugere que pessoas mais calorosas são vistas como menos competentes.

Tirar fotografias a alguma distância da câmara

Se procura uma fotografia de perfil ideal para uma rede social como o Facebook ou LinkedIn e dar uma imagem profissional, o melhor mesmo é optar por uma em que se encontre distanciado da câmara.

De acordo com um estudo conduzido por investigadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia nos Estados Unidos, tirar uma fotografia mais longe da câmara sugere uma maior competência. Através de várias experiências com centenas de participantes os investigadores descobriram que um grupo de 18 homens era considerado mais competente, confiável e atraente quando foi fotografado a cerca de 4,5 metros de distância ao invés de 1,5 metros.

Faça o seu rosto parecer maior

A aparência física tem impacto nas primeiras impressões e o rosto, claro, assume um papel fundamental. Mais precisamente a sua forma.

Um estudo conduzido por investigadores da Universidade de Nova Iorque e pela Universidade de Connecticut nos Estados Unidos sugere que ter um rosto mais largo faz com que os outros o classifiquem como mais competente, isto porque as perceções de competência dependem, em grande parte, da estrutura facial. No estudo os participantes tinham de olhar para um conjunto de rostos masculinos cujas proporções foram alteradas digitalmente, de forma a que algumas parecessem mais largas do que outras. De seguida foram questionados sobre qual dos homens poderia ganhar uma competição de halterofilismo. Os resultados revelaram que os homens que tinham os rostos mais largos foram considerados os vencedores mais prováveis dessas competições.

Na verdade, o rosto só pode ser alterado através de uma cirurgia, mas o Photoshop ou fotografias com o ângulo certo podem dar uma ajuda.

Não utilizar emojis em emails profissionais

Já aqui o revelamos: utilizar emojis em emails profissionais pode criar uma má impressão. Um estudo israelita recente contou com 529 participantes de 29 países. Foram realizadas três experiências para analisar o impacto do uso de emojis nas primeiras impressões em contextos profissionais. Os resultados obtidos revelaram que a utilização de emojis em emails relacionados com o trabalho resultou uma percepção de menor competência.

Falar depressa

Se tem algo a dizer mais... dizê-lo depressa. Um estudo, conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Brigham Young nos Estados Unidos, concluiu que falar mais rápido dá a impressão de uma maior competência. Para o estudo 28 estudantes universitários ouviram um conjunto de gravações de pessoas cujas falas tinham sido manipuladas de forma a parecerem mais lentas ou mais rápidas do que o normal. No fim, os estudantes avaliaram as gravações quanto a dois fatores: benevolência e competência. Os resultados obtidos revelaram que as classificações de competência aumentaram à medida que as vozes eram mais aceleradas. As classificações de benevolência mais altas ocorreram quando as vozes eram normais.

Um outro estudo, conduzido por investigadores da Universidade de Georgia nos Estados Unidos, sugere que falar depressa é, também, uma forma de ganhar um argumento. Segundo o estudo, optar por um discurso claramente mais rápido do que o normal, diminui a refutação da mensagem que está a ser transmitida.

Contar uma piada (mas apenas se tiver a certeza de que é apropriada)

Uma brincadeira apropriada ao ambiente de trabalho pode ser uma boa opção. Segundo um estudo conduzido por investigadores da Wharton School e da Harvard Business School, dizer uma piada bem sucedida e apropriada no trabalho pode fazê-lo parecer mais competente. Nem é preciso dizer que se a piada for inapropriada pode provocar o efeito contrário... Os investigadores pediram aos 274 participantes para imaginar uma entrevista de trabalho. O gerente pergunta ao candidato: “Onde se vê daqui a cinco anos?”. Os participantes tinham de escolher uma de duas respostas: “A continuar a trabalhar nesta área numa função como esta” ou “A comemorar o quinto aniversário em que me faz esta pergunta”. Dos participantes que leram a piada, alguns leram depois que o gerente se riu, outros que o gerente ficou em silêncio. Mas os resultados revelaram que o candidato que contou uma piada - mesmo que não fosse bem sucedida - foi considerado o mais competente comparativamente ao candidato que deu uma resposta séria.