Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Estão identificados nove fatores de risco para a demência

Visão Mais

GSO Images

Mudanças no estilo de vida podem prevenir um terço dos casos de demência

A demência não é uma consequência inevitável do envelhecimento que pode ser prevenida. Um relatório da Comissão Lancet divulgado quinta-feira, quantificou, pela primeira vez, a percentagem de casos evitáveis: 35 por cento.

“As pessoas tendem a pensar que não há nada que possam fazer sobre a demência, mas há", acredita Clive Ballard, co-autor do estudo e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Exeter. "Se pelo menos um terço dos fatores são potencialmente modificáveis, então há coisas que todos podemos fazer,” acrescenta.

O estudo identifcou nove fatores relacionados com o aumento do risco de demência:

Perda da audição relacionada com a meia-idade - responsável por 9% do risco de demência

Abandono do ensino secundário - responsável por 8% do risco de demência

Tabagismo - responsável por 5% do risco de demência

Falha no tratamento precoce da depressão - responsável por 4% do risco de demência

Inatividade física - responsável por 3% do risco de demência

Isolamento social - responsável por 2% do risco de demência

Pressão arterial alta - responsável por 2% do risco de demência

Obesidade - responsável por 1% do risco de demência

Diabetes tipo 2 - responsável por 1% do risco de demência

Além dos casos de demência que poderiam ser evitados com a eliminação destes fatores de risco, os investigadores alertam que outros 7% poderiam ser também reduzidos se fosse encontrada uma solução para o fator de risco genético.

Embora seja impossível eliminar todos os nove riscos, os investigadores afirmam que apenas uma redução de 10% levaria a menos um milhão de casos de demência em todo o mundo. Alterações ao estilo de vida como parar de fumar, fazer exercício físico, ter cuidado com a alimentação são exemplos do que se pode fazer para reduzir o risco da doença.