Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Beber café para viver mais anos? Novo estudo diz que é possível

Visão Mais

Justin Sullivan / GettyImages

O consumo de café pode contribuir para maior longevidade, ajudando a evitar doenças cardíacas, renais, respiratórias, cancros, AVC ou diabetes, segundo um estudo em que foram analisadas mais de 180 mil pessoas

A investigação, que será divulgada esta terça-feira na publicação especializada Annals of Internal Medicine, baseou-se num estudo feito nos Estados Unidos entre diversas etnias pela Universidade do Hawai e a Escola de Medicina Keck, da Califórnia

"Não podemos dizer que beber café prolonga a vida mas vemos uma associação", afirmou Veronica Setiawan, professora de medicina preventiva e principal autora do estudo, em que se regista que quem bebe uma chávena de café por dia tinha menos 12% de probabilidade de morrer do que quem não bebe.

Para quem bebe duas ou três chávenas, o risco de morte reduz-se em 18%, não se verificando variação entre quem bebe café descafeinado.

"O café contém muitos anti-oxidantes e compostos que desempenham um papel importante na prevenção do cancro", apontou a investigadora, salientando que os resultados não permitem concluir que o café é uma espécie de elixir, mas que "faz parte de uma dieta e estilo de vida saudáveis".

A Organização Mundial de Saúde (OMS) já tinha reconhecido no ano passado, depois de 25 anos a associar o café ao cancro da bexiga, que a bebida reduz o risco de cancro hepático e uterino.

"Há pessoas que receiam que beber café possa ser mau porque aumenta o risco de doenças cardíacas, atrofia o crescimento ou leva ao aparecimento de úlceras ou azia, mas a investigação mostrou que de um modo geral, não faz mal à saúde", declarou.

Contudo, há uma contraindicação clara no consumo de café muito quente, que a OMS alerta que pode causar cancro no esófago.

As pessoas que participaram no estudo responderam a questões sobre estilo de vida, hábitos alimentares, historial clínico e hábitos de consumo de café, dados que foram sendo atualizados durante cinco anos.

Dos participantes, 16% não bebe café, 31% bebe uma chávena por dia, 25% bebe duas a três e sete por cento declarou beber quatro ou mais chávenas diariamente. Os 21% restantes indicaram consumos sem padrão.

A tendência verificou-se entre afro-americanos, americanos de origem japonesa, de origem sul e centro-americana e brancos, o que leva os cientistas a considerar que se estende a outros grupos étnicos.

"Este estudo é o maior deste género que já foi feito e inclui minorias com estilos de vida muito diferentes", afirmou Setiawan.

com Lusa