Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

E se o que estiver a provocar as noites em branco forem os seus genes?

Visão Mais

DR

As insónias podem ter diversos motivos, mas uns são mais controláveis que outros. Como este, identificado por um recente estudo holandês: sete genes associados à dificuldade em adormecer

Se muitas vezes a culpa de não conseguir adormecer à noite cai sobre o stress ou a sesta da tarde, uma investigação recente da Universidade de Vrije, em Amesterdão, Holanda, apresenta mais uma causa possível para a dificuldade em dormir: a genética.

A investigação, publicada no jornal científico Nature Genetics, analisou o ADN de mais de 113 mil pessoas da Grã-Bretanha e Holanda e encontrou sete genes com ligações às insónias. Um dos genes, o MEIS1 já tinha sido relacionado, em investigações anteriores, com duas perturbações do sono: o distúrbio dos movimentos periódicos dos membros e a síndrome das pernas inquietas.

Os investigadores encontraram ainda uma particularidade acerca destes sete genes: são mais frequentes nas mulheres. Danielle Posthuma, professora da Universidade de Vrije, realça que existem variações genéticas distintas entre homens e mulheres: “Parte das variantes genéticas acabam por ser diferentes. Isso sugere que, por um lado, existem diversos mecanismos biológicos que podem causar as insónias."

“‘Também encontrámos uma diferença entre homens e mulheres em termos de prevalência: Na amostra que estudámos, incluindo uma maioria de pessoas com mais de 50 anos, 33% das mulheres relataram sofrer de insónias. Nos homens, apenas 24%”, acrescenta, em comunicado.

Os investigadores acreditam que o estudo apresenta uma nova abordagem sobre quais as razões por trás da dificuldade em adormecer, o que pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos que substituam as comuns prescrições de comprimidos para dormir.