Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

Já há um nome para quem gosta mas evita comer carne: são os reducitarianistas

Visão Mais

Mario Joao

Não são vegetarianos nem vegans. E, de vez em quando lá pedem um bife no restaurante, sem qualquer problema de consciência

Rosa Ruela

Rosa Ruela

Jornalista

Este é claramente um problema de consciência. Mas é também uma questão de pragmatismo, nota o americano Brian Kateman, de 27 anos, co-fundador do movimento Reducitarianismo, que decidiu tornar-se vegetariano no liceu, mas não deixou de comer peru no Thanksgiving. A ideia não é sermos “perfeitos”, explicou ao Guardian. “As pessoas comem menos carne porque a redução do seu consumo tem um impacto significativo no planeta e na saúde.”

Brian Kateman estava a comer um hamburguer quando um amigo lhe deu um exemplar do livro The Ethics of What We Eat, de Peter Singer e Jim Mason (em Portugal foi publicado com o título Como Comemos, pela Dom Quixote). Parece anedota, mas o fundador da Reducetarian Foundation e professor no Centro de Sustentabilidade Ambiental da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, garante ser verdade.

O livro, que começa à mesa de três famílias para falar sobre o verdadeiro custo das nossas escolhas alimentares diárias, mudou-lhe a vida. “Foi uma surpresa ler que a produção animal é responsável pelas mudanças climáticas e pela perda de biodiversidade, bem como pelo aumento de doenças cardíacas, cancro e obesidade”, conta. “Se as pessoas reduzissem apenas 10%, seria uma enorme vitória.”

Brian Kateman decidiu, então, criar uma fundação que tem como missão melhorar a saúde humana, proteger o meio ambiente e proteger os animais, reduzindo o consumo de produtos de origem animal. “A premissa central dos reducitarianistas é a de que os veganos e os vegetarianos fazem parte do mesmo espectro que as pessoas que estão insatisfeitas com a produção animal e, por isso, decidiram que apenas comem carne de vez em quando”, diz. “É sobre moderação para os omnívoros. Sempre que nos sentamos para comer é como se votássemos nas questões que nos preocupam.”

No site da Reducetarian Foundation é possível comprar o livro The Reducetarian Solution (a solução do reducitarianismo) e aprender a cozinhar dezenas de pratos vegetarianos. As fotografias que acompanham as receitas têm todas tão bom aspeto que é fácil esquecer a carne nem que seja apenas por uns dias.

A nossa preferida é a receita de Guilt-free Lasanha (lasanha sem culpa, à letra) e não é só por causa do nome. Também deve ficar uma delícia com mozarella verdadeira e Béchamel convencional – afinal, ninguém disse que tínhamos de ser perfeitos, pois não?