Visão Mais

Siga-nos nas redes

Perfil

O que a ciência já sabe sobre as cócegas

Visão Mais

  • 333

D.R.

Algumas pessoas oferecem mais resistência, outras sentem-nas à distância. A ciência analisou como as cócegas fazem parte do comportamento humano desde as primeiras interações. Afinal, que comportamento estranho é este?

As cócegas podem ser agradáveis ou dolorosas, eróticas ou usadas como forma de tortura. Todos as conhecemos, mas este comportamento pode ser mais complexo do que imaginamos. “As cócegas são dos assuntos mais amplos e profundos da ciência”, diz Robert Provine, neurocientista da Universidade de Maryland, em Baltimore (EUA), citado pela BBC num extenso artigo sobre o tema.

Provine dedicou parte da sua carreira a investigar vários comportamentos curiosos do ser humano, nomeadamente soluços, bocejos, libertação de gases e cócegas. O neurocientista afirma que as cócegas despertam diversos estímulos no corpo “desde a defesa do corpo e do sistema neurológico até aos sentidos do ‘eu’ e dos outros”.

Existem dois tipos de cócegas. O primeiro, denominado knismesis, é uma resposta primitiva associada à necessidade dos animais defenderem o seu corpo. É uma sensação ligeiramente irritante, diz Provine, provocada por um movimento suave na pele: “Penso que os lagartos, insetos e praticamente todos os seres têm algum tipo de comportamento associados à defesa da superfície do corpo.”

Por outro lado, gargalesis é um fenómeno particular dos mamíferos: são cócegas que resultam em riso e estão associada a brincadeira.

Numa abordagem básica, as cócegas consistem numa sensação que envolve fibras nervosas associadas ao toque e à dor. Mas alguns olhares da ciência encontraram algumas semelhanças em espécies animais.

Cerca de 10 a 16 milhões de anos separam os humanos dos macacos e, embora não existam grandes estudos sobre o tema, alguns estudos revelam este comportamento acompanhou a evolução da espécie.

Uma revisão de 2004 sobre cócegas revela que este comportamento tão comum pode ter uma complexidade subjacente. “As cócegas associadas ao riso podem ser mais consideradas um comportamento social do que um reflexo”, diz Samuel Selden, dermatologista e autor do estudo.

“As cócegas são o primeiro estímulo do riso”, afirma Provine. Esta ligação entre o riso dos macacos e dos seres humanos foi algo que Marina Davila- Ross, da Universidade Portsmouth (Reino Unido), encontrou ao analisar chimpanzés.

“Usámos dados acústicos [do riso] da mesma forma como um geneticista usa dados genéticos para reconstruir as relações evolutivas”, revela. Através da construção de uma árvore genealógica destes sons produzidos por gorilas e macacos, a pesquisa, publicada em 2009, revelou que a evolução de grunhidos animais deu origem às gargalhadas dos seres humanos.

A pesquisa traça a história não só do riso, mas também de cócegas. Esta brincadeira, muitas vezes, tira-nos o fôlego e essa falta de ar resultou no riso como o conhecemos hoje.

Em 2010, após ter identificado ruídos animais que se assemelhavam a sons humanos de risos, o psicólogo Jaak Panksepp em colaboração com o seu aluno Jeffrey Burgdorf, realizaram uma investigação para observar a reação de mamíferos a cócegas.

Apesar da resistência que a ciência demonstrou na altura, desde então começaram a surgir diversos estudos onde foram utilizadas cócegas para estudar emoções positivas em ratos.

Luca Melotti, da Universidade de Berna, na Suíça, tem realizado algumas pesquisas sobre as expressões faciais provocadas pelas cócegas em ratos e revelou que as cócegas ativam as mesmas áreas cerebrais e sistemas neuronais associados a experiências de afeto positivo em seres humanos.

“Se os mamíferos mais primitivos também demonstraram tais respostas emocionais, isso sugere que o afeto alegre surgiu muito mais cedo do que acreditamos”, afirmam Panksepp e Burgdorf.