Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

Se gostaste de ler os livros vencedores de «Miúdos a Votos» 2018-19 no secundário...

MIÚDOS A VOTOS

Em democracia, as pessoas escolhem os políticos que as representam. Para que não sejam sempre os mesmos no poder, há leis que definem quantos anos a mesma pessoa pode ser, por exemplo, Presidente da República. Em «Miúdos a Votos», essas leis não se aplicam. Mas, para que os vencedores possam variar, pedimos ao Plano Nacional de Leitura que, a partir dos três livros mais votados em cada ciclo, no ano passado, sugerisse outras leituras. Aqui ficam as do secundário:

Se gostaste de «A Culpa é das Estrelas», podes gostar de…

O Fio da Navalha, de W. Somerset Maugham
1 / 3

O Fio da Navalha, de W. Somerset Maugham

Ciclone: Diário de uma Montanha-Russa, de Inês Barahona, Miguel Fragata e Mariana Malhão
2 / 3

Ciclone: Diário de uma Montanha-Russa, de Inês Barahona, Miguel Fragata e Mariana Malhão

Mil Vezes Adeus, de John Green
3 / 3

Mil Vezes Adeus, de John Green

O Fio da Navalha

W. Somerset Maugham

Larry Darrell é um veterano da I Guerra Mundial, marcado pelo facto de um companheiro de armas ter morrido ao tentar salvá-lo. Abandonando tudo, desde o seu país até à mulher com quem planeara casar, parte em busca de uma reflexão interior e de um significado para a vida.

Ciclone: Diário de uma Montanha-Russa

Inês Barahona, Miguel Fragata e Mariana Malhão

Dois rapazes e duas raparigas, entre os 13 e os 19 anos, vão escrevendo os seus diários. A cada nova entrada, um bilhete para uma viagem a bordo da Ciclone. Dos anos 70 até ao presente, páginas de loopings, subidas e descidas alucinantes, suspensões, expectativas, impressões e desilusões. Ciclone é uma atração com 26 metros de altura, mas também a montanha-russa que todos já experimentámos, ou experimentaremos, ao caminhar para a idade adulta.

Mil Vezes Adeus

John Green

Duas amigas vão tentar ganhar uma recompensa com a explicação para o desaparecimento de um milionário. Entretanto, Aza, que tem problemas do foro psicanalítico, conhece Davis, o filho do desaparecido, por quem se apaixona. Descoberto o cadáver do milionário, tudo se altera com a separação e um adeus que não será definitivo.

Se gostaste de «A Rapariga que Roubava Livros», podes gostar de…

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury
1 / 3

Fahrenheit 451, de Ray Bradbury

Thiago Souza

Mendel dos Livros, de Stefan Zweig
2 / 3

Mendel dos Livros, de Stefan Zweig

Os Loucos da Rua Mazur, de João Pinto Coelho
3 / 3

Os Loucos da Rua Mazur, de João Pinto Coelho

Fahrenheit 451

Ray Bradbury

Descrição de uma sociedade futura onde os livros são proibidos e queimados pelos bombeiros, para que as pessoas não pensem, sejam apáticas, sem espírito crítico, com vidas vazias e sem que disso se dêem conta. Conseguirá o bombeiro Guy Montag, graças a Clarisse, a sua vizinha excêntrica, e a Faber juntar-se aos «vagabundos por fora e bibliotecas por dentro»/homens livro, a fim de preservarem a palavra escrita, o legado das grandes obras literárias, o conhecimento e a leitura crítica?

Mendel dos Livros

Stefan Zweig

A história de um espantoso alfarrabista que passa os dias sentado na mesma mesa de um dos cafés de Viena. Com a sua memória enciclopédica e generosa disponibilidade, este judeu russo é admirado pelo dono do café e pela clientela culta que recorre aos seus serviços. Mas em 1915, em plena Primeira Guerra Mundial, é enviado para um campo de prisioneiros, injustamente acusado de colaborar com os inimigos da Áustria.

Os Loucos da Rua Mazur

João Pinto Coelho

A obra centra-se à volta das personagens Yankel e Eryk e Shionka. Eryk, escritor, procura o amigo judeu, em Paris, para que este, a partir das suas memórias, o ajude a escrever o livro, que, crê, o irá redimir. A narrativa ocorre em dois tempos: 2001 e 1934/41. Eryk, Yankel e Shionka, amigos de infância, vivem numa aldeia polaca no tempo da ocupação nazi. A perseguição e a violência exercida sobre os judeus pela população da aldeia, maioritariamente cristã, gente comum, gera atrocidades. De leitura envolvente, em que o real coexiste com a ficção, e a crueldade e o Mal coabitam entre vizinhos.

Se gostaste de «O Diário de Anne Frank», podes gostar de…

Diário de um Zé-Ninguém, de George e Weedon Grossmith
1 / 3

Diário de um Zé-Ninguém, de George e Weedon Grossmith

Mataram a Cotovia, de Harper Lee
2 / 3

Mataram a Cotovia, de Harper Lee

Estar vivo aleija, de Ricardo Araújo Pereira
3 / 3

Estar vivo aleija, de Ricardo Araújo Pereira

Diário de um Zé-Ninguém

George e Weedon Grossmith

Diário de Charles Pooter, um homem de meia idade com um emprego mediano, uma situação económica mediana, uma mulher mediana e uma família mediana, que lhe proporcionam um quotidiano mediano muito digno de nota.

Mataram a Cotovia

Harper Lee

Situado em Maycomb, uma pequena cidade imaginária do Alabama, durante a Grande Depressão, este romance fala-nos do crescimento de uma rapariga numa sociedade racista. Scout, a protagonista rebelde e irónica, é criada com o irmão, Jem, pelo seu pai viúvo, Atticus Finch. Ele é um advogado que lhes fala como se fossem capazes de entender as suas ideias, encorajando-os a refletirem, em vez de se deixarem arrastar pela ignorância e o preconceito.

Estar vivo aleija

Ricardo Araújo Pereira

Conjunto de crónicas escritas para o jornal brasileiro Folha de S. Paulo. Com um inusitado domínio da ironia e uma exímia capacidade de estabelecer relações, este conjunto de textos perpassa variadíssimo temas, desde reflexões político-sociais, até questões filosóficas, passando por questões quotidianas, aparentemente sem relevância, assumindo-se amiúde o tom de auto-reflexividade irónica que caracteriza o autor.