Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

As eleições dos «Miúdos a Votos» em números

MIÚDOS A VOTOS

A iniciativa «Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?» conta com o apoio da Pordata, que é uma grande base de dados portuguesa. Foi a Pordata que contou e organizou os votos, e dessa contagem resultaram uma série de factos interessantes. Fica a saber tudo aqui:

O Norte continua a ser o sítio onde mais se vota: 35,3% de todos os votos (quase 28 mil votos) vieram de escolas a norte do País. Já na edição de 2018 foi no Norte que mais se votou: mais de 21 mil votos vieram desta zona do país (36,4% do total de votos de 2018).

Regiões do País onde se votou na iniciativa «Miúdos a Votos»

Regiões do País onde se votou na iniciativa «Miúdos a Votos»

Segue-se a Área Metropolitana de Lisboa (com 24,4% dos votos), o Centro (com 20.3%) e o Algarve (com 8,1%). O sítio de onde chegaram menos votos foi o arquipélago dos Açores, o que é se pode explicar pelo facto de nos Açores existirem menos número de escolas e alunos, se compararmos com o resto do País.

No Norte, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo, Algarve e fora de Portugal os votos cresceram, em comparação com a edição anterior. Já no Centro, na Madeira e nos Açores houve menos miúdos a votar. Ainda assim, o número de votos tem vindo sempre a crescer, dando o seu maior salto de 2018 para 2019: este ano houve mais de 18 mil votos.

Taxa de abstenção

Nesta edição a taxa de abstenção foi mais baixa que a percentagem de votos. Em 2019, 51,9% dos alunos de todo o País e escolas portuguesas no estrangeiro participaram e escolheram o livro mais fixe, mas 48,1% absteve-se, o que significa que quem votou, decidiu por eles.

O ciclo com mais abstenção foi o ensino secundário e o ciclo com menos abstenção foi o 1º ciclo, com 83,9% dos alunos a votarem.

Na política, a abstenção é quando nos negamos a votar, por estarmos desinformados ou não querermos participar. Na eleição do livro mais fixe deste ano puderam votar todos os alunos e alunas, independentemente da idade, desde que fossem alunos entre o 1.º e o 12.º ano e a escola onde estudam estivesse inscrita.

E se compararmos a taxa de abstenção dos «Miúdos a Votos» com as eleições europeias?

Podes ficar descansado! Este ano a taxa de abstenção nas eleições europeias foi de 69,3%, maior que a das eleições dos «Miúdos a Votos». Também nas eleições para o Presidente da República, em 2015, a abstenção foi maior, com 51,3%; mas, se compararmos às legislativas do mesmo ano, houve mais votos (a taxa de abstenção foi de 44,1%).

Este ano votaram 78 382 alunos; destes, 2054 votos foram nulos e 358 foram em branco.