Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

As Aventuras de Júnior & Joana num laboratório científico

As aventuras de Júnior&Joana

  • 333

Texto dos alunos do 8º ano da Secção Portuguesa do Liceu Intenacional de Saint-Germain-en-Laye, França, com a professora Isabel da Costa

Joana estava perto da lareira, quando a neta chegou junto de si. A jovem estava aborrecida porque tinha tirado má nota no teste de Ciências. Disse à avó que detestava aquela disciplina ao que Joana respondeu:

- Que engraçado! Quando eu era pequena, também não gostava nada até ao dia em que aconteceu aquela aventura...

Quando eu tinha a tua idade, eu e o Júnior, o teu tio-avô, tínhamos um cão, o Gão. Estávamos de férias os três na casa do tio Alberto. O nosso tio era um cientista que trabalhava para uma firma de cosméticos. Ao fim de um dia de trabalho o tio convidou-nos para ir ao seu laboratório. Eu não queria ir, mas para não ficar sozinha acompanhei-os, de má vontade.

- E então?

- Calma, minha querida, já vais ver!

 Quando lá chegámos ficámos surpreendidos por ver que o laboratório era enorme, moderno, branco. Estava muito desarrumado. Havia grandes mesas, microscópios, frascos de todas as cores, tubos de ensaio com soluções... livros nas mesas. Não havia vivalma. Havia bolas de papel no chão e o Gão começou a brincar com elas. Corria por debaixo das mesas e escorregou num líquido azul indo bater numa mesa onde havia vários tubos de ensaio com soluções bem coloridas. O tio virou-se ao ouvir o estrondo causado pelo Gão. Começou a rir-se quando viu que ele tinha ficado cor-de-rosa e as riscas do dorso eram agora cor de laranja:

- É tinta permanente...

Foi nesse momento que o Júnior também começou a rir. Eu continuava séria e gritei com os dois:

- Vocês acham piada? E se for tóxico? E se o pelo cair?

- Não te preocupes com isso, sobrinha, não há aqui nada tóxico e o pelo não vai cair. O único problema é que o Gão vai ter de andar uns tempos colorido antes de eu encontrar uma forma de lhe devolver a sua cor original.

- Mas o tio não tinha dito que a tinta era permanente? - perguntámos em coro.

- Meus meninos, isto é uma tinta permanente mas há sempre uma forma de a tirar.

- Podemos ajudar-te?

- Claro que podem. E começamos já. Vamos misturar vários reagentes até encontrarmos a solução.

Ficámos toda a noite no laboratório. Testámos um monte de reagentes nos pelos do Gão. De meia em meia hora o pelo mudava de cor. Ao nascer do sol, acertámos numa solução e o Gão recuperou a sua cor branca.

Foi assim que comecei a gostar de Ciências!