Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

Vê o discurso emocionado de Greta Thunberg na Cimeira do Clima das Nações Unidas

Visão Júnior

A ativista sueca Greta Thunberg acusou os líderes mundiais de lhe roubarem a infância e o futuro. Vê o vídeo

Greta Thunberg, 16 anos, discursou, esta segunda-feira, 23, a convite do secretário-geral da ONU, António Guterres, no arranque da Cimeira da Ação Climática, em Nova Iorque. Isto aconteceu depois de atravessar o oceano Atlântico numa viagem que demorou duas semanas. Se tivesse ido de avião, a viagem duraria pouco mais de oito horas, mas Greta afirma que não voltará a viajar de avião, por este ser um meio de transporte muito poluente.

«Como se atreveram? Vocês roubaram-me os sonhos e a infância com as vossas palavras vazias», começou por dizer aos líderes políticos presentes na sala. «Eu não devia estar aqui, eu devia estar na escola, do outro lado do oceano», acrescentou, emocionada, ao curto discurso que leu. «Como se atreveram?», voltou a questionar, referindo, contudo, que faz parte de um grupo de pessoas privilegiadas, mas que há gente que sofre e está a morrer devido às alterações climáticas.

A jovem chamou a atenção para o desaparecimento de ecossistemas e relembrou que estamos no início de uma nova extinção em massa e que, enquanto isso acontece, os líderes mundiais apenas falam de dinheiro e de «contos de fadas do crescimento económico eterno».

Para além de repetir factos científicos que confirmam as alterações climáticas que afetam o nosso planeta, Greta Thunberg deixou um aviso àqueles que mandam: «O mundo está a acordar e a mudança a chegar, quer vocês gostem ou não. Obrigada», concluiu.

GRETA E MAIS 15 JOVENS PROCESSAM CINCO PAÍSES POR INAÇÃO

À margem da Cimeira da Ação Climática, 16 jovens, incluindo a ativista sueca, anunciaram, no mesmo dia, que vão colocar uma ação judicial contra cinco países: Alemanha, França, Argentina, Brasil e Turquia.

Os jovens denunciam a inação dos líderes como uma violação da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança. Ainda que os líderes mundiais tenham assinado a convenção há 30 anos (em novembro de 1989), pela qual se comprometeram a proteger a saúde e os direitos das crianças, «eles não cumpriram as suas promessas», disse o porta-voz sueco do grupo. A queixa, sem precedentes, junta jovens de 12 países, com idades entre os 8 e os 17 anos, e conta com o apoio da UNICEF.