Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

«O Dragão», de Luísa Ducla Soares

Visão Júnior

E se um dragão entrasse, de imprevisto, na tua casa, na tua escola, na tua vida? Como lidar com o diferente, com o medo, com o inesperado? Esta é uma história divertida e comovente que também te fará pensar.

Livro nomeado para o 2.º ciclo

Brincar com as palavras

Os vencedores da iniciativa Agora o Escritor És Tu! continuaram o livro Destrava-Línguas, fizeram perguntas muito giras a Luísa Ducla Soares, e até trouxeram lenga lengas inventadas de propósito

Os pequenos 'jornalistas' nem queriam acreditar quando Luísa Ducla Soares disse que já tinha escrito mais de 200 livros! Não admira que esta escritora tenha sempre uma história na manga. Mas os alunos do 1.º ano das escolas EB1/ JI de Moinhos (Arcozelo, Vila Nova de Gaia), Básica de Glória (Estremoz), ATL -Associação de Pais da Escola do Alto do Moinho (Corroios) e do Colégio Bissaya Barreto (Coimbra), não lhe ficaram atrás: inventaram rimas! Como estas, sobre as aldeias de Estremoz: «Fui à Glória a cavalo numa jibóia, fui a Estremoz e comi um bago de arroz, fui a Évora Monte beber água de uma fonte, fui a São Bento do Cortiço comer um belo chouriço.» Luísa Ducla Soares ficou maravilhada: «Fizeram um trabalho interessante e difícil.» E disse:«Podemos brincar com a língua. Os trava-línguas é uma brincadeira que já se faz há muitos séculos.»

Qual foi o seu primeiro livro?
Tomás, 6 anos, ATL -Associação de Pais da Escola do Alto do Moinho

Comecei a escrever aos 10 anos.
O meu primeiro livro foi um que não publiquei: levei-o à minha professora, e ela pôs alguns dos meus poemas no jornal da escola. Os meus pais disseram-me então: «Tens que fazer um livro.» E deram-me um bonito caderno com letras douradas, intitulado Os meus versos. Só fiquei triste porque queria parecer crescida e eles, em vez de lá assinarem o meu nome, puseram Luisinha!

Porque é que gosta de escrever?
Leonor, 6 anos, Colégio Bissaya Barreto

Gosto de escrever livros porque também gosto muito de os ler. É tão bom comunicar com os outros através da escrita. Eu gosto de estar aqui a conversar com vocês. Mas só posso falar com quem está dentro da sala! Mas se eu escrever um livro, este consegue chegar a muita gente, a sítios diferentes... Por exemplo, vão publicar um livro meu no Brasil. Ora, eu não tenho uma voz tão forte que pudesse atravessar o oceano!

Conhece a Serra de Ossa? Pode ir lá escrever um livro?
Matilde, 6 anos, Escola Básica de Glória

Sim, mas não preciso de o escrever na Serra de Ossa. Já fiz um livro com uns meninos de Évora, através da internet: eles ditavam o texto à educadora, eu continuava-o. Há quem critique os computadores, dizendo que nos afastam da leitura. Bem, isso é se eu não fizer mais nada senão jogar ao computador todo o dia... Mas os computadores também nos aproximam da leitura: escrevem-se livros neles. Eu, em vez de gastar esferográficas, escrevo ao computador.

Em que se inspira para escrever?
Gustavo, 7 anos, Colégio Bissaya Barreto

Inspiro-me em tantas coisas... Às vezes, inspiro-me nos filhos, ou nos netos, ou até nos meninos que encontro nestas sessões. Posso inspirar-me numa flor, numa nuvem. Conhecem o meu livro Todos no sofá? Pois escrevi-o porque tenho um sofá que os meus dois filhos e os meus quatro netos adoram. Mas teria de ser um sofá gigante para eles caberem todos! Empurram-se uns aos outros para ver quem cai ao chão, e ganha o mais velho, que se deita lá ao comprido, a dormir. Para outra história, inspirei-me no meu filho, que é do Sporting. Ele tinha olhos verdes, só usava roupas verdes. Eu pensei: «Bem, se este rapaz arranjar namorada, ela tem de ser. verde.» E fiz A Menina Verde. quando lhe dei o livro, ele ficou furioso!

Como é que faz os desenhos nos seus livros?
Inês e Ana, 6 anos, ATL - Associação de Pais da Escola do Alto do Moinho

Os livros são feitos por duas pessoas, o escritor e o ilustrador. E o ilustrador é que faz os desenhos. Mas eu já desenhei... livros de papel para os meus filhos.

Se fosse uma flor, o que escreveria?
Camila, 6 anos, Escola Básica de Glória

Seria uma papoila, e escreveria sobre o sol, a natureza, os animais que passam perto... Diz-se que o cravo é a flor da liberdade por causa do 25 de Abril. Mas as papoilas é que vivem livres, sem dono, nos campos.

O que sente quando ouve alguém a brincar com as suas rimas?
Joana, 7 anos, EB1/ JI de Moinhos

Fico contente: fiz um trabalho útil.
Se alguém brinca com as rimas, é porque gostou delas.

Que livro mais gostou de escrever?
Luís, 7 anos, Colégio Bissaya Barreto

Publiquei 133 livros, mas já escrevi 200. Os livros são como filhos dos escritores. E um pai gosta de todos os filhos: dos marotos, dos sérios.

Se fosse uma astronauta, escrevia sobre as estrelas?
Matilde, 7 anos, Escola Básica de Glória

É a primeira vez que me fazem essa pergunta! Quando tinha a vossa idade, gostava de ser astronauta.
Agora, tenho livros passados noutros planetas.
Um deles, A História do Alfa, é sobre um menino do planeta Maquineta, que quis visitar a Terra. Noutro livro, escrevi que havia tanta poluição em Alcochete que as pessoas emigraram para o espaço. Mas eu gosto do planeta Terra. E no universo cabem todos os planetas -verdadeiros e imaginários.

Os jovens são as pessoas mais importantes da sua vida?
Rafael, 6 anos, ATL -Associação de Pais da Escola do Alto do Moinho

Sim, porque fiquei desiludida com alguns adultos: eles não estavam a fazer deste mundo o melhor. Tenho a esperança que as crianças consigam fazer melhor. Sejam bons cidadãos neste planeta maravilhoso.

Porque gostei de ler o Destrava-Línguas

Pedimos a dois dos alunos que nos visitaram para contarem o que mais gostaram no livro de Luísa Ducla Soares

«Quando comecei a ler este livro não percebi nada! Ficava com a língua toda enrolada no céu da boca e as palavras não conseguiam sair da minha boca.
Repeti, repeti e repeti e lá consegui dizer: um tigre, dois tigres, três trigr... Ai! Três tigres!»
Martim Oliveira, 6 anos

«Pensava que só havia travões nas bicicletas mas afinal também as palavras podem ter travão. E gostei de saber isso. A brincar com as palavras podemos ficar a falar ainda melhor!»
Camila Silva, 7 anos

Texto: Sílvia Souto Cunha
In VISÃO Júnior, terça 1 de Jul de 2014

Vê aqui o vídeo da visita dos alunos do 1º. Ano que entrevistaram Luísa Ducla Soares

A Rádio Miúdos esteve à conversa com a escritora Luísa Ducla Soares. Ouve a entrevista aqui