Visão Júnior

Siga-nos nas redes

Perfil

Engenharia Aeroespacial é o curso com a média mais alta

Visão Júnior

  • 333

Quem tentou entrar para a faculdade este ano já sabe se tem ou não lugar. Descobre quais são os cursos onde é mais difícil entrar

Os alunos que concorreram à universidade sabem, finalmente, se conseguiram entrar na faculdade e no curso que escolheram. E há novidades nos resultados!

Para já, ficaram colocados cerca de 43 mil alunos - mais 890 do que no último ano letivo, o que significa que vai haver mais estudantes nas universidades.

Como são escolhidos os alunos para cada curso?

É através da média que se decide quem são os alunos escolhidos para ficar em cada curso.

A média é a nota com que os estudantes se candidatam. Pode variar entre 0 e 200. Para calculá-la é preciso ter em conta as notas que os alunos tiveram nos exames que fizeram durante o ensino secundário ou profissional e as notas que tiveram nas disciplinas escolares.

É muito importante porque são os alunos com as médias mais altas que ficam no curso. Por exemplo, se um curso tiver 60 vagas, só vão entrar nele os alunos que tiverem as 60 melhores médias, entre aqueles que se candidataram.

Dizemos que um curso tem uma determinada média de entrada quando essa foi a nota com que se candidatou o último aluno a conseguir entrar no curso.

Quais são os cinco cursos com média de entrada mais elevada?

Engenharia Aeroespacial, na Universidade de Lisboa - Instituto Superior Técnico = 185,3

Engenharia Física Tecnológica, na Universidade de Lisboa - Instituto Superior Técnico = 185,9

Engenharia e Gestão Industrial, na Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia = 184,8

Medicina, na Universidade do Porto - Faculdade de Medicina = 184

Medicina, na Universidade do Porto - Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar = 182,5

Este ano, foram alguns dos cursos de Engenharia que tiveram a média de entrada mais alta, ultrapassando os cursos de Medicina - que eram sempre aqueles onde era mais difícil entrar.

Como se concorre à universidade?

No final do ano letivo, depois de terem feito todos os exames, os alunos que terminaram o ensino secundário ou o ensino profissional correspondente ao 12º ano fazem uma lista dos cursos superiores que mais gostam e enviam-na, pela internet, ao Ministério da Ciência e do Ensino Superior. Mas atenção! Na altura de concorrer, só podes escolher aqueles cursos que pedem um dos exames que tenhas feito no secundário. Por exemplo, se só fizeste exame de Português, não podes escolher um curso que pede o exame de Matemática. Aos exames com que concorres a um curso chama-se provas de ingresso.

O que se faz quando não se fica colocado?

É claro que todas a gente quer entrar logo no curso que escolheu, mas se houver outros candidatos com médias mais altas, isso pode não acontecer. Mas não desesperes! Os alunos que não conseguiram ficar nos cursos que queriam podem voltar a tentar, se ainda tiverem ficado vagas disponíveis. Para isso, existem ainda mais dois períodos de candidatura, a que chamamos de 2ª e 3ª fases, nos quais os alunos voltam a candidatar-se aos cursos que querem. Este ano ainda ficaram por preencher mais de 8 mil vagas!

Dica: É importante verificar qual foi a média de entrada do curso que se quer escolher no ano anterior, para ter a certeza de que se tem boas hipóteses de entrar. Mas mais importante que isso, é começares já a organizar sempre muito bem o teu estudo, para atingires bons resultados e, no futuro, não precisares de ter muitas preocupações!