(Veja, em baixo, o discurso integral de Obama)

Era o momento mais aguardado depois do juramento: o discurso do novo Presidente norte-americano. Perante uma multidão de 2 milhões de pessoas, Barack Obama, o primeiro chefe de Estado negro na história do país, falou durante 18 minutos, prometendo ao mundo uma nova América que "ouve todas as vozes".

O 44º presidente dos Estados Unidos pediu hoje "uma nova era de responsabilidade" dos norte-americanos nas suas vidas e para o seu país no mundo, como força de cooperação e diálogo.

No seu discurso após o juramento como presidente dos Estados Unidos, Obama apelou aos valores fundamentais do seu país começar um novo capítulo na sua história.

"A nossa economia está enfraquecida, como consequência da avidez e da irresponsabilidade por parte de alguns, mas também pelo fracasso colectivo em tomar as decisões difíceis e preparar a nação para uma nova era", disse Obama.

Perante esses erros, Obama instou os norte-americanos a retomar o que fez dos Estados Unidos a nação que é: o trabalho duro, a honestidade, a coragem, a justiça, a tolerância e o patriotismo.

"O que nos é pedido agora é uma nova era de responsabilidade, o reconhecimento, por parte de cada norte-americano de que temos obrigações face a nós próprios, à nossa nação e ao mundo", disse.

No plano internacional, o novo presidente quis assinalar uma mudança em relação à administração anterior, apesar de ter agradecido seu antecessor pelo "seu serviço" aos Estados Unidos.

"A todos os povos e governos que nos vêem hoje, desde as maiores capitais à pequena localidade onde nasceu o meu pai: saibam que os Estados Unidos são um amigo de cada nação e de cada homem, mulher e criança que procura um futuro de paz e dignidade e que estamos prontos para liderar uma vez mais", afimou.

Recordou que os Estados Unidos derrotaram o facismo e o comunismo "com alianças sólidas e convicções fortes". "O nosso poder só não nos pode proteger, nem nos dá direito a fazer o que nos apetece", disse.

Obama assinalou que os desafios actuais requerem que os Estados Unidos façam um esforço maior para promover a cooperação e o entendimento entre as nações, perante a ameaça nuclear e o aquecimento global.

O presidente norte-americano ofereceu "um novo caminho em direcção ao futuro" ao mundo muçulmano.

"Aos líderes que procuram semear o conflito ou responsabilizam o Ocidente pelos problemas nas suas sociedades - saibam que o vosso povo vos julgará pelo que conseguirem construir e não pelo que destroem. Aos que se agarram ao poder através da corrupção e do engano e silenciando a dissenção, saibam que estão do lado errado da história, mas que estenderemos a mão se estiverem dispostos a abrir o punho", declarou.