Visão Verde

Siga-nos nas redes

Perfil

Plantas selvagens podem estar mais alteradas do que transgénicos

Visão Verde

DR

Estudo de investigadores portugueses mostra que alterações ao habitat das plantas provocam mais modificações do que a engenharia genética

Sara Sá

Sara Sá

Jornalista

Apesar de haver total consenso científico em torno da segurança para a saúde dos organismos geneticamente modificados (conhecidos também pela sigla OGM ou transgénico), continua a haver um enorme receio relativamente ao seu consumo. Sobretudo na Europa, onde a legislação é extremamente restritiva. Só é permitido cultivar uma planta (milho BT) e o consumo, para alimentação, está restrito a cinco espécies: soja, milho, colza e algodão (para produção de óleo) e beterraba para produção de açúcar.

Um transgénico é um ser vivo cujo material genético foi alterado por técnicas de engenharia genética. É graças a este método que hoje em dia se produzem alguns medicamentos, como a insulina ou a hormona do crescimento. Mas os exemplos mais conhecidos continuam a ser o das plantas com interesse para a agricultura. Por norma, ocorre a introdução, ou remoção, de um gene, para tornar a cultura mais rentável, reduzir a necessidade de pesticidas ou de água ou ainda melhorar a qualidade nutricional - um bom exemplo é o arroz dourado, enriquecido com vitamina A.

Mas as alterações genéticas não são provocadas exclusivamente pela engenharia genética. Qualquer alteração ambiental pode provocar modificações na estrutura genética das plantas. Aliás, é disso que se trata na seleção e melhoramento de sementes, praticada há centenas de anos na agricultura.

Agora um estudo de uma equipa de investigadores do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge e do Instituto de Tecnologia Química e Biológica, da Universidade Nova de Lisboa, veio mostrar isso mesmo. No caso, o trabalho, publicado na revista Scientific Reports, do grupo Nature, mostra que o excesso de sal, um fator de stress para a planta, provoca mais modificações genéticas do que a engenharia genética.

"Os fatores ambientais por si só causam mais alterações do que quando se introduz uma modificação específica no ADN da planta, como é o caso dos transgénicos", resume a investigadora Rita Batista, primeira autora do estudo.

Sempre que há uma agressão - excesso de luz, água a mais ou a menos - as plantas produzem proteínas. Outro importante fator de stress é o próprio confinamento a um laboratório. Um processo pelo qual passam quer as sementes geneticamente modificadas quer as outras. "Comemos diariamente plantas sujeitas a stress ambiental, sem qualquer preocupação", nota Rita Batista.

"Quando o assunto são os transgénicos, há muito preconceito, muita falta de informação. As decisões são tomadas com base em interesses políticos e económicos."