O mordomo do papa acusado de ter violado documentos ultra-confidencais foi libertado da cadeia e regressou a casa, anunciou o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi.

Preso a 23 de maio na posse de documentos confidenciais da correspondência privada do papa, Paolo Gabriele "estará com a sua família" no Vaticano e os seus contactos com o exterior serão rigorosamente controlados, afirmou Lombardi, indicando que "a sua detenção já não é necessária".

A partir de agosto, a justiça do Vaticano decidirá se deve ser aberto um processo contra o mordomo, acrescentou o porta-voz.