Baltzar Garzón já havia sido condenado a ficar 11 anos sem exercer a profissão por abuso de poder, por ter ordenado escutas telefónicas ilegais entre advogados e réus de um caso de corrupção.