Convite aos Leitores: Deixe aqui a sua Opinião

Tal como da uva também se faz vinho, o governo deve saber que também do trabalho se produzem receitas

A política económica do aumento de imposto como forma de aumentar as receitas, está continuamente a ter efeitos contrários aos projectados pelo governo. A queda contínua da economia interna, é bastante superior aos aumentos de percentagem das exportações. Também, o aumento do desemprego contínuo, contribui para a diminuição das receitas provenientes das contribuições para a Segurança Social e com consequências graves na capacidade de consumo interno.

Artigo escrito por opaisquetemos
17:28 Quarta feira, 24 de Outubro de 2012
Partilhe este artigo:

A política económica do aumento de imposto como forma de aumentar as receitas, está continuamente a ter efeitos contrários aos projectados pelo governo. A queda contínua da economia interna, é bastante superior aos aumentos de percentagem das exportações. Também, o aumento do desemprego contínuo, contribui para a diminuição das receitas provenientes das contribuições para a Segurança Social e com consequências graves na capacidade de consumo interno.

Ainda que as notícias continuem a demonstrar o insucesso das políticas seguidas, e o OE para 2013 esteja debaixo de fogo para ser aprovado, já se fala na previsão de novas cargas fiscais para 2013 e mesmo 2014, além das já previstas no orçamento. Esta situação é ridícula e insustentável para o país. Estamos praticamente na situação da Grécia.

Esta política económica não tem capacidade de remover o país do caos económico cada vez mais alastrado a todos os sectores económicos por todas as regiões do país.

Pensar em sermos meninos bonzinhos para voltarmos aos mercados financeiros, o mais cedo possível e contrairmos mais empréstimos para continuarmos a viver à custa de dívida, em vez de produção e desenvolvimento económico não é viver.

Tal como da uva também se faz vinho, o governo deve saber que também do trabalho se produzem receitas.

Soluções recomendadas

  • As pressas acabam sempre por dar em devagar. É essencial o prolongamento do acordo com a troika, para além de 2014. Talvez mesmo pensarmos em 2016.
  • Reset total da economia com alguma parte das tranches recebidas da troika, serem directamente investidas na produção, na ainda possível reactivação de muitas empresas com estruturas montadas, mas paralisadas devido a falta de caixa e dívidas fiscais. A reactivação dessas empresas devolveriam postos de trabalho, contribuindo para o aumento das contribuições para a Segurança Social, para a reduções nos subsídios sociais e recuperação de consumo interno, ainda que apenas nos produtos e serviços essenciais à sobrevivência.
  • Amnistia de parte das dívidas fiscais das empresas, com possibilidades de pagamentos da restante, em conformidade com a progressão da capacidade  de cada empresa, e não com imposição de prazos e prestações insustentáveis para as empresas em função do seu desenvolvimento  a partir da reactivação das mesma.

A continuidade com a política de aumentos de impostos, numa economia sem capacidade de consumo e nos rendimentos salariais já insuficientes para a sobrevivência das famílias, vai lançar o país numa recessão económica muito superior aos 2% ou 2,2% previstos pelo governo. Pior ainda, agrava a pressão social, tornando mesmo para o governo a incapacidade de trabalhar debaixo de fogo constante.

Um dos apelos já feitos pelo Opaisquetemos aos jovens, é para passividade nas manifestações de protestos, que para além de tumultuosas, não trazem benefícios, mas muitas vezes casualidades. Mas, com a continuidade desta política económica, que nunca irá produzir frutos, a teimosia por parte do governo, acabará por aumentar o descontentamento em todas as gerações, em que não haverá apelo, ou mesmo forças de segurança que possam conter toda a revolta sem consequências desastrosas.

UM ALERTA

A atitude por parte do CDS/PP, numa forma quase de silêncio, fazerem parte do governo e só darem breves comentários de apoio às decisões das medidas governamentais sobre os aumentos dos impostos, é como que por água fria na fervedura, para manter a coligação intacta, até ao momento oportuno que pretendem. Esse momento oportuno, que o CDS/PP espera, será muito provavelmente dentro de poucos meses quando o OE2013, começar a dar sinais explosivos, inversos aos dos planeados pelo governo. Aí procurarão as feiras e mercados, as pescas, as agriculturas e os reformados e pensionistas, prometendo que têm a solução, e com eles, tudo voltará ao normal. Basta de falsas promessas em busca do voto. Basta de governar com más intenções em busca de interesses políticos, deixando agravar cada vez mais os portugueses.

PARLAMENTO "OS VELHOS DO RESTELO"

O exposto neste comentário, são algumas das razões da iniciativa para a criação de um sistema paralelo e independente no sentido de fiscalizar, analisar, alertar e recomendar para tudo o que cada vez afecta mais as nossas vidas.

Todo o português que se sente conformado com a situação político-económica do país, este site e esta iniciativa, não se enquadram nas suas ideologias e é uma perda de tempo a sua leitura.

Aqueles, que acreditam que o país está em queda total para o abismo e que são a favor de uma mudança de rumo, político-económico, de uma forma moderada e com directrizes, a iniciativa lançada tem o propósito de sem ideologias ou interesses políticos de direita ou de esquerda, analisar todas as medidas governamentais, apresentar recomendações em relação às mesmas e alertar para tudo o que seja duvidoso acerca de políticos e partidos políticos. Também, contrariamente ao governo, que é eleito pelo povo, mas não governa pela opinião pública mas sim com base em interesses políticos e mesmo pessoais, o Parlamento "Os Velhos do Restelo", aceitará propostas da opinião pública e fará os comentários de pós e contras das mesmas. Todas as propostas e pós e contras às mesmas serão publicados, dando o nosso parecer final.

Contrariamente ao governo, que pede cada euro que exista nos bolsos dos portugueses, apenas pede o apoio de tods e participação activa de quem esteja directamente disposto a participar. O mais importante para o sucesso desta iniciativa, é a experiência profissional e de vida de cada um e o desejo de um Portugal com futuro para nós e todas as gerações futuras.

Se esta iniciativa vai ao encontro dos vossos interesses, leia, divulgue e assine a petição "OS VELHOS DO RESTELO ".

7 comentários
Página 1 de 1
ordenar por:
SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ
Majotex
Um país endividado e com juros usurários não sairá jamais da situação de devedor sem crescer o suficiente para pagar a dívida e os encargos correspondentes e viver o seu dia-a-dia.

Uma economia em recessão agravará constante e acelaradamente a sua situação devedora até à bancarrota.

Por cada posto de trabalho que se perde os prejuízos multiplicam-se:
Não produz, não desconta para a SS, não paga impostos e...ainda terá de ser subsidiado para sobreviver.

Não é preciso ter um doutoramento, um mestrado ou uma simples licenciatura para se entender o porquê das referidas consequências.

Austeridade, a partir de certo nível, destroi a economia e conduz à miséria das populações e do Estado.

Tantas vezes o tenho dito (www.manuel-j-teixeira.wordpress.pt) desde que comecei a participar nas questões políticas com mais afinco.

A memória dos portugueses é curta e muito facilmente esquece o passado mais recente.

Quando no consulado do Eng.Sócrates se abria a boca com milhões de milhões, eu perguntava se havia tanto dinheiro por que razão não se apoiavam as empresas viáveis para se preservarem os postos de trabalho. Porque cada posto perdido representava uma pequena desgraça para o País mas uma grande perda para o desempregado.

E foram centenas de milhar os postos nigligentemente perdidos.

Quem tiver curiosidade, leia ... e comente!
Seguir utilizador | 1 ponto | 20:03 | Domingo, 11 de Novembro de 2012 Responder
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
opaisquetemos | Seguir utilizador | 1 ponto | 17:44 | Terça feira, 20 de Novembro de 2012
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
opaisquetemos | Seguir utilizador | 1 ponto | 17:47 | Terça feira, 20 de Novembro de 2012
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
kimarks | Seguir utilizador | 1 ponto | 4:20 | Segunda feira, 3 de Dezembro de 2012
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
opaisquetemos | Seguir utilizador | 1 ponto | 18:20 | Segunda feira, 3 de Dezembro de 2012
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
kimarks | Seguir utilizador | 1 ponto | 2:49 | Terça feira, 4 de Dezembro de 2012
    Re: SEM CRESCIMENTO...NÃO VAMOS LÁ   
kimarks | Seguir utilizador | 1 ponto | 18:55 | Terça feira, 4 de Dezembro de 2012
7 comentários
Página 1 de 1
PUBLICIDADE
Visão nas Redes
Últimas