A polémica surgiu em 2010, ano em que a "Roja" se sagrou campeã mundial na África do Sul, e levou um historiador a expor o assunto por escrito ao presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

Angel Vilar nunca comentou a questão, tendo mais tarde uma fonte da RFEF explicado que é a marca responsável pelo fabrico dos equipamentos que trata de todos os assuntos relacionados com as camisolas.