Convite aos Leitores: Deixe aqui a sua Opinião
Página inicial | Opinião | Ricardo Araújo Pereira

Página 1 de 20 1 | 2 | 3 | 4 | 5 |

Um banco dentro do toucado

A paixão do coleccionismo parece ter tomado conta do povo português. As colecções de moedas são estimulantes apenas até certo ponto, e por isso os portugueses dedicam-se agora a coleccionar bancos. É a piscina dos grandes da numismática

A paixão do coleccionismo parece ter tomado conta do povo português. As colecções de moedas são estimulantes apenas até certo ponto, e por isso os portugueses dedicam-se agora a coleccionar bancos. É a piscina dos grandes da numismática. O valor das moedas depende da sua raridade e do seu estado de conservação. Suponho que com os bancos suceda o mesmo. Até agora, os portugueses só conseguiram adquirir bancos mal conservados, mas começa a ser uma colecção que impressiona, uma vez que são todos muito raros. O BPN foi o primeiro, e por isso será sempre especial, mas o coleccionismo é um vício, e por isso vamos comprando outros, devagarinho. Esta mega-numismática requer alguns cuidados. O cidadão que deseje continuar a comprar bancos fará melhor se tirar o seu dinheiro dos bancos. É mais fácil comprar os bancos a prestações, através dos impostos, do que investir as poupanças todas de uma vez, ficando sem elas. O melhor método, e o mais seguro, parece ser o mais antigo: guardar o dinheiro no colchão. O meu colchão tem várias vantagens. A primeira é que sou eu quem lhe faz a supervisão, e tenho mais tempo para lhe dar atenção do que o Banco de Portugal. Todos os dias, verifico se o meu colchão abriu offshores nas ilhas Caimão, ou se perdeu milhões em Angola. Até agora, nada. Tem sido um bom colchão, não só a gerir os meus activos como a proporcionar suporte lombar o que os bancos, aliás, sempre negligenciaram. A segunda vantagem é o rigor e a estabilidade que o colchão me proporciona. Todos os dias saem novas notícias sobre as desavenças e dívidas da família Espírito Santo. Mas a família Molaflex mantém o recato e a discrição próprias dos grandes banqueiros de antigamente.

O poeta Nicolau Tolentino escreveu um soneto divertido sobre a moda da sua época. As senhoras usavam penteados muito volumosos, e o poema contava a história de uma moça que tinha um colchão escondido no toucado. Hoje, a moda já não ameaça os colchões. E, embora os banqueiros usem, quase todos, o cabelo bem aparado, muitos conseguem levar um banco inteiro escondido na algibeira. Mais um ponto a favor dos colchões.

Ricardo Araújo Pereira | | 4 comentários

A sorte de Carlos do Carmo

Na mesma semana, o cantor teve duas alegrias: recebeu um prémio internacional pela sua carreira e não recebeu os parabéns do Presidente da República. Isto, para mim, é a definição de prestígio

A comoção que provocou o facto de Cavaco Silva não ter endereçado votos de parabéns a Carlos do Carmo é injustificada. Que se lixe Carlos do Carmo, esse sortudo. Na mesma semana, o cantor teve duas alegrias: recebeu um prémio internacional pela sua carreira e não recebeu os parabéns do Presidente da República. Isto, para mim, é a definição de prestígio. Desconfiamos que alguma coisa está mal na nossa vida quando Cavaco Silva nos distingue. Recordo que Cavaco distinguiu Dias Loureiro com a sua amizade e Oliveira e Costa com o lugar de secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. A recusa de fazer chegar um parabém a Carlos do Carmo acrescenta honra à semana já honrosa do fadista. Foi dos mais belos ultrajes que já vi, uma das mais dignificantes desconsiderações que o Presidente já concedeu.

Há um poema de Bertolt Brecht (que também nunca foi felicitado por Cavaco Silva) em que um escritor descobre, horrorizado, que as suas obras não constam da lista de livros que os nazis pretendem queimar em público, e escreve uma carta indignada ao governo a exigir que o queimem também. Suponho que haja, neste momento, várias pessoas condecoradas ou parabenteadas por Cavaco a passar por uma indignação semelhante. Porque é que Carlos do Carmo e José Saramago merecem o menosprezo do Presidente e elas não? Que mal fizeram elas ao País para terem caído nas boas graças de Cavaco?

O que nos leva a uma reflexão mais profunda sobre o mérito de Carlos do Carmo. Sim, é um excelente cantor e um nome cimeiro do fado. Mas fez assim tanto para ser abominado por Cavaco? Cristiano Ronaldo e o ciclista Rui Costa também parecem ser pessoas decentes, e no entanto foram felicitados pelo Presidente, quando ganharam, respectivamente, uma Bola de Ouro e uma Volta à Suíça. Há filhos e enteados, nisto dos desdéns que enobrecem?

Talvez Cavaco não tenha agraciado Carlos do Carmo com o seu desprezo propositadamente. Há outros factores que podem ter levado o Presidente a distinguir o fadista com esta ausência de congratulações. Uma chamada local custa 0,0861€ no primeiro minuto e 0,0391€ por minuto nos minutos seguintes, já com o IVA incluído. A factura de um telefonema de felicitações a Carlos do Carmo poderia ascender a cerca de um euro, porque todos sabemos como são estes fadistas quando a gente os saúda pelo telefone: nunca mais se calam. É isto, e aquilo, e os tempos da Severa, e quando damos por ela estamos ao telefone há mais de cinco minutos. Um telegrama tem a vantagem de não fazer falar o fadista, mas custa à volta de três euros. Ora, Cavaco já disse que o dinheiro não lhe chega para as despesas, e no fim do ano passado já felicitou o tenista João Sousa pela vitória no torneio de Kuala Lumpur: "Não posso deixar de dirigir uma felicitação muito, muito sincera e com um grande sublinhado porque projecta o nome de Portugal para o 'top' daqueles que se destacam na prática do ténis". Deve ter sido uma felicitação dispendiosa, porque era muito, muito sincera e incluía um grande sublinhado. Até 2015, não deve ter orçamento para mais parabéns. 

Ricardo Araújo Pereira | | 39 comentários

A Bordalolândia

Em vez dos bonecos da Disney, teríamos o Zé Povinho, que aparece a pagar as obras, fazendo uma figura mais pateta que o Pateta.

Mais um motivo de orgulho para o nosso país, já tão rico em recordes: a garagem mais cara do mundo fica em Portugal. Chama-se Aeroporto Internacional do Alentejo, e fica em Beja. Podia ter sido o aeroporto mais barato do mundo, porque foi construído a partir de uma base aérea já existente, mas felizmente, e porque seria um pouco pindérico termos infra-estruturas baratas, neste momento é a garagem mais cara do mundo. O projecto de explorar o turismo alentejano e algarvio falhou. Não foram construídos os acessos necessários nem criadas condições para atrair as companhias aéreas low-cost. Esta semana, o aeroporto perdeu o seu único voo comercial e transformou-se, então, numa formidável garagem para aviões.

O processo de construção da estupenda garagem cumpriu todos os trâmites da burocracia clássica portuguesa. Houve atrasos na construção, na certificação e na inauguração. Entre o fim da construção e a inauguração passou tanto tempo que o aeroporto teve de ser submetido a obras. Foram feitas previsões divertidíssimas. Em 2007, responsáveis pelo projecto previram que o aeroporto teria 178 000 passageiros em 2009. O aeroporto só seria inaugurado em Abril de 2011, pelo que os 178 000 passageiros que estavam ávidos de o frequentar em 2009 devem ter tido uma desilusão grande. O mesmo responsável estimava que, em 2020, o aeroporto atingisse 1,8 milhões. Não sei se já disse que o aeroporto perdeu esta semana o seu único voo comercial. Recordo que estamos em 2014. Por causa deste pequeno desfasamento entre as projecções e a realidade, o Governo criou outro clássico: o grupo de trabalho que tenta perceber de que forma se resolve o assunto.

É a este e a outros grupos de trabalho semelhantes que eu gostaria de fazer uma proposta. Trata-se da criação da Bordalolândia. Assim como os americanos têm a Disneylândia, inspirada nos bonecos desenhados por Walt Disney, também Portugal poderia ter a Bordalolândia, inspirada nas criações de Rafael Bordalo Pinheiro. Todos os projectos semelhantes ao Aeroporto de Beja seriam convertidos em grandes parques temáticos, com diversões para encantar miúdos e graúdos. Em vez de comboios que percorrem o mundo das histórias infantis, como a da Branca de Neve, teríamos um comboio parecido que percorreria a história da construção do empreendimento. Não sendo histórias de fantasia, têm partes que parecem mentira, como creio ter ficado claro. Em vez dos bonecos da Disney, teríamos o Zé Povinho, que aparece a pagar as obras, fazendo uma figura mais pateta que o Pateta. Parece-me que é assim que podemos recuperar o nosso dinheiro. A menos que o projecto da Bordalolândia seja planeado e executado por quem planeou e executou o do Aeroporto de Beja.

 

Ricardo Araújo Pereira | | 3 comentários

Arte a meia haste

Se o artista queria criar uma boa metáfora sobre o estado do país, colocava a corda na garganta de um funcionário público ou de um reformado, como faz o Governo, e não incorreria em qualquer crime

A criminalidade em Portugal está a atingir níveis preocupantes: aumentam os assaltos à mão armada, crescem os crimes violentos e, esta semana, foi julgado, no Algarve, um criminoso que enforcou um pano. O bandido montou um patíbulo, pendurou um baraço e estrangulou o pano indefeso. O pano, embora exibisse cor verde numa metade (provavelmente, devido à falta de oxigénio) e vermelha na outra (talvez por causa daquela concentração sanguínea que precede a gangrena), foi resgatado e encontra-se a recuperar bem.

O criminoso é um perigoso estudante de arte chamado Élsio Menau, o enforcamento era um trabalho artístico que recebeu 17 valores na Universidade do Algarve, e o pano era a bandeira nacional. O conjunto chamava-se Portugal na forca e, de acordo com o criminoso, pretendia ser uma metáfora sobre o estado do País. A desculpa não é plausível, evidentemente. Se o artista queria criar uma boa metáfora sobre o estado do País, colocava a corda ao pescoço de um funcionário público ou de um reformado, como faz o Governo, e não incorria em qualquer crime. Sabemos que não temos futuro no meio artístico quando percebemos que Passos Coelho é melhor artista do que nós. Uma lição para Élsio Menau.

Não é a única lição que este delinquente precisa de aprender. A bandeira nacional não serve para fins artísticos. A bandeira nacional é sagrada, e destina-se apenas a propósitos mais altos, como vender cerveja em anúncios televisivos, ser desfraldada em varandas em apoio de jogadores de futebol, ou enfeitar lapelas de governantes enquanto eles desempenham a nobre missão de confiscar salários. Intervenções artísticas com o estandarte nacional estão exclusivamente a cargo do Presidente da República, que o pendura às avessas como metáfora da circunstância de não o saber pendurar como deve ser.

Há um único pormenor que poderia redimir este carrasco de bandeiras. O estado fisiológico que, a fazer fé no mito, sobrevém ao enforcado, poderia ser interessante para Portugal. Cito o poeta Al Berto: "dizem também / que um duende dança na erecção do enforcado". Se estamos a definhar, ao menos que o nosso último entusiasmo sirva de piso de dança. O que não falta para aí é gente pequenina para fazer o papel de duende. Só entre os autores do processo judicial a Élsio Menelau deve haver vários.

Ricardo Araújo Pereira | | 5 comentários

O futuro é um país distante

De duas, uma: ou a economia anda a zombar do Presidente da República ou eles, na Universidade de York, dão doutoramentos a quem não percebe nada do assunto

Primeiro, Cavaco Silva previu uma espiral recessiva. E a economia começou a crescer timidamente. Agora, Cavaco Silva disse que o medo devia dar lugar à esperança. E a economia dá sinais de recuo e estagnação. De duas, uma: ou a economia anda a zombar do Presidente da República ou eles, na Universidade de York, dão doutoramentos a quem não percebe nada do assunto.

O único motivo de esperança é o facto de, segundo creio, estarem agora reunidas condições para passar a haver menos notícias acerca de desemprego - mas apenas porque os jornalistas começam também a ser despedidos em massa e, por isso, dentro de pouco tempo, passará a haver menos notícias acerca de quase tudo. Esta é a minha opinião sobre a conjuntura económica e, por incrível que pareça, é tão válida como a do Presidente.

A economia é a área de estudos mais democrática que existe. Eu só li o livro do Samuelson, e mal (passei à frente o capítulo sobre política fiscal e pleno emprego, que era especialmente aborrecido - e Passos Coelho, aparentemente, fez o mesmo. Les beaux esprits...), e mesmo assim as minhas previsões são tão más quanto as do Presidente, que é um especialista. Se me nomeassem ministro das Finanças, talvez eu levasse o País à bancarrota, como fez Teixeira dos Santos, que se doutorou nos Estados Unidos. Os economistas não fazem ideia do que estão a falar, o que é ao mesmo tempo tranquilizador e preocupante. É tranquilizador porque podemos discutir economia em pé de igualdade com eles. Para saber a razão pela qual é preocupante, basta ler o jornal ou olhar para o recibo do ordenado.

Estou a chegar àquela idade em que as pessoas da minha geração começam a chegar a cargos de poder. Estudaram economia, a maior parte, e vão mandar no País. Eu conheço alguns, e não sei como evitar o constrangimento quando os encontrar, por acaso, na rua ou num restaurante. Vai ser muito embaraçoso para eles. Dedicaram-se ao estudo dos grandes nomes da teoria económica e agora dirigem o País; eu estudei duas ou três coisas sem grande préstimo e dedico-me à tarefa muito mais nobre de fazer pouco deles. Vou apiedar-me desses desgraçados e tentar que a soberba não tome conta de mim.

| | Comente

Diz que principia uma competição desportiva

A humanidade é culturalmente diversa, mas é muito belo constatar que existe um traço que une a espécie humana inteira: há construtores garganeiros em toda a parte

A escandalosa escassez de informação sobre o assunto leva a que, provavelmente, o leitor não saiba que começa hoje o Campeonato do Mundo de futebol. Trata-se de uma competição entre equipas compostas pelos melhores jogadores de 32 países, e disputa-se no Brasil. Os jogadores portugueses têm feito várias deslocações, a bordo de um autocarro, mas os jornalistas persistem em ignorá-las. Ao que parece, nesta altura a equipa portuguesa já se encontra numa unidade hoteleira do Brasil, mas tirando a exacta localização geográfica, a descrição pormenorizada das instalações e o nome e morada de todos os funcionários do hotel, são muito poucas as informações que nos chegam.

Para receber o Mundial, o Brasil renovou e construiu vários estádios, incluindo o estádio nacional, em Brasília - uma cidade em que as equipas de futebol não têm grande expressão. O recinto tem capacidade para cerca de 73 mil pessoas e, curiosamente, chama-se estádio Mané Garrincha - e não estádio do Algarve, o nome que se costuma dar a estádios que, depois de acolherem dois ou três jogos, deixam de ser usados. A humanidade é culturalmente diversa, mas é muito belo constatar que existe um traço que une a espécie humana inteira: há construtores garganeiros em toda a parte. É sob o signo do construtor garganeiro que a humanidade dá as mãos e constrói o futuro. E depois o futuro nunca mais fica pronto, porque estes empreiteiros prometem sempre o fim da obra para uma determinada data mas adiam sistematicamente o fim da construção.

De acordo com os jornais brasileiros, alguns estádios ainda não estão prontos, o que representa um motivo de orgulho para Portugal. Significa que os brasileiros retiveram algumas das nossas características mais encantadoras. O destino deste mundial começou a ser traçado em Tordesilhas, há 520 anos. É comovente ver as marcas mais representativas da cultura portuguesa um pouco por todo o lado, testemunhando a nossa presença nos quatro cantos do mundo. Alguns dos estádios não passaram nos testes de segurança, pelo que podem registar-se incidentes dentro dos recintos. Fora dos recintos vão certamente registar-se incidentes, devido às manifestações de boa parte da população brasileira contra a realização do Mundial no seu país. Parece que os manifestantes preferem hospitais e escolas para acolher condignamente os cidadãos a estádios para acolher condignamente o Bósnia Herzegovina-Irão. Confesso que não sei a quem é que eles saem assim. Alguma coisa correu mal na nossa colonização.

Ricardo Araújo Pereira (crónica publicada na VISÃO 1110, de 12/06, dia em que começou o Mundial 2014) | | 11 comentários

Ele não merece, mas vota nas primárias do PS

Há um político do PS que vai perder umas eleições em que só se pode votar no PS

A decisão de organizar eleições primárias no PS é, ao contrário do que se diz, extremamente arrojada. Primeiro, a introdução de um vocábulo como "primárias" no meio partidário, todo ele já bastante impregnado de primarismo, demonstra ousadia e vontade de provocar o sistema. Em segundo lugar, abrir a votação a "simpatizante" do partido, quando hoje parece claro que a antipatia é o sentimento que os partidos mais despertam, também revela uma desfaçatez muito irreverente.

Por último, os candidatos correm um risco enorme: há um político do PS que vai perder umas eleições em que só se pode votar no PS. É uma humilhação grande para o derrotado e uma honra algo questionável para o vencedor, porque não é surpreendente que os eleitores socialistas votem num socialista. Pensando bem, tendo em conta o resultado das últimas eleições, talvez seja.

A introdução da figura do simpatizante mostra, no fundo, que o PS não pode contar com os seus militantes para escolher os dirigentes.

Os militantes são, na verdade, antipatizantes do partido, uma vez que são incapazes de escolher um candidato que agrade ao eleitorado. Os militantes do PS escolheram Seguro, que também é a escolha favorita dos militantes dos partidos adversários. Cada vez é mais misterioso que PS e PSD não consigam entender-se, porque são compostos por gente que partilha os mesmos gostos, as mesmas ideias e os mesmos sonhos. Mesmo os problemas que afectam os seus líderes são idênticos. Neste momento, António José Seguro não sabe se vai poder governar, por causa de António Costa, e Passos Coelho não sabe se vai poder governar, por causa da Constituição. Para um observador desapaixonado, como eu, parece-me que António Costa e a constituição pretendem proteger o povo português de males maiores.

O problema de PS e PSD não são as divergências, é o tamanho do País. Se houvesse espaço para dois governos, em vez de apenas um, tenho a certeza de que saberiam entender-se. A liderança bi-céfala, apesar das bi-cefaleias que tem dado no Bloco, talvez fosse a solução para o país.

O mais interessante, nas eleições internas do PS, é o facto de os candidatos prometerem apresentar cada um o seu programa político. Ou seja, o PS esteve estes anos todos sem um único programa, e de repente ameaça com dois. Sempre é verdade que não há fome que não dê em fartura.

Manual para compreender as europeias

O PS teve uma vitória extremamente humilhante. António José Seguro nem ganhar sabe

Sinto-me como o rapaz que conduzia a mota no poço da morte. Estou prestes a tentar uma habilidade muito perigosa. Ouço a voz do altifalante, que avisa: "Cuidado, Panchito! Teu pai morreu ao executar este número!" Mesmo assim, avanço. O objectivo é explicar ao povo português o que se passou no domingo passado. Uma das dificuldades é o facto de, aparentemente, o povo português não ter a mais pequena curiosidade em saber. A outra dificuldade é que eu próprio não percebi muito bem o que se passou. Vamos então recapitular: primeiro, foi a campanha eleitoral. O tema central foi a questão de saber se é ou não admissível chamar vírus ao PS. A troca de argumentos foi inconclusiva, e sentimos todos a falta de debates, para esclarecer o problema. Mas os socialistas ficaram indignados com Paulo Rangel, e Paulo Rangel ficou indignado com aquela indignação. Os socialistas só não se indignaram com a indignação de Paulo Rangel relativamente à sua primeira indignação porque, infelizmente, entretanto a campanha terminou. Acabou por se registar um empate (1-1), em indignações. Proponho um sistema de penalties da indignação, sempre que este tipo de fenómeno volte a verificar-se.

No sábado, o Presidente da República apelou ao voto de todos os portugueses. No dia seguinte, registou-se a maior abstenção de sempre. Cavaco Silva é muito mobilizador, mas não conseguiu competir com um daqueles dias em que não estava bom tempo para a praia nem havia futebol. Talvez não seja boa ideia colocar um homem que nunca pôs um cravo na lapela a apelar ao bom funcionamento do regime nascido da Revolução dos Cravos.

Depois, saíram os resultados. O PS teve uma vitória extremamente humilhante. António José Seguro nem ganhar sabe. Venceu e ficou com o lugar em risco. Por outro lado, a direita teve a maior derrota de todos os tempos, o que lhe deu alguma esperança no futuro. Nenhum dos seus dirigentes foi posto em causa.

Após três anos de uma política de direita que empobreceu o país, o eleitorado decidiu castigar o Bloco de Esquerda, que passou de terceira para quinta força política. O PCP aumentou o número de deputados e vai apresentar uma moção de censura por considerar que o governo, após ter perdido grande parte da sua base de apoio, deixou de legitimidade para governar. Supõe-se que a moção seja dirigida também ao Bloco de Esquerda que, após ter perdido grande parte da sua base de apoio, terá deixado de ter legitimidade para fazer oposição.

Entretanto, Marinho e Pinto foi eleito e os responsáveis do seu partido disseram que, se a comunicação social o tivesse deixado falar, o candidato teria obtido um resultado ainda melhor. É exactamente o contrário. A ingratidão é muito feia.

Ricardo Araújo Pereira | | 1 comentário

Caros cidadãos de Portugal,

Portugal é, sinceramente, a minha parte favorita de Angola, e tive o privilégio de poder confidenciar isto mesmo a Nelson Mandela, quando ele ainda jogava no Benfica

Estive há dias no vosso país (acho eu) e parece que cometi um erro. Disse que Cristóvão Colombo era vosso compatriota quando, ao que parece, ele nasceu em Génova. O que significa que era grego, ou assim. Enfim, os povos do sul da Europa acabam por ser todos muito parecidos. Também tenho dificuldade em distinguir africanos e chineses. Sendo oriundo de uma potência como o Luxemburgo, estive muito ocupado a estudar a longa história do meu país, e a conhecer a sua vasta geografia. Por isso, faltou-me disponibilidade para me dedicar à história de países mais pequenos, como o vosso. Além disso, no Luxemburgo temos pouquíssimo contacto com portugueses, pelo que a minha ignorância está desculpada, creio eu.

            Vamos ao essencial. O meu objectivo era comparar o socialismo com um período negro da história mundial. Por isso, escolhi inteligentemente uma época que os portugueses abominam: os Descobrimentos. Cristóvão Colombo era, na verdade, um socialista: ia sem saber para onde à custa dos contribuintes - e com que resultados? Nenhuns. Não admira que tenha sido esquecido pela história e que, hoje, alguns altos dignitários europeus nem saibam exactamente quem ele foi e onde nasceu. Diz-se que Cristóvão Colombo descobriu a América. Pois bem, eu já estive na América, e é enorme. Imaginem as vossas cidades de Málaga e Bordéus juntas. A América é ainda maior. Não é nada difícil de descobrir. Vê-se do espaço. Perguntem ao vosso compatriota Neil Armstrong. Ele foi a Júpiter, e sabe do que fala.

            Portugal é, sinceramente, a minha parte favorita de Angola, e tive o privilégio de poder confidenciar isto mesmo a Nelson Mandela, quando ele ainda jogava no Benfica. Nessa medida, e como diz Passos Coelho, o vosso país tem em mim um amigo. Creio que o desconhecimento mútuo é o melhor aliado da amizade. Quanto mais se conhece o outro, mais características desagradáveis lhe descobrimos. E eu já demonstrei que não faço a mínima ideia de quem vocês são e do que fizeram. Terei todo o prazer em defender, na Comissão Europeia, os vossos interesses, mal descubra quais são.

Como dizia o vosso Cervantes: "Ser ou não ser, eis a questão." Portugal tem de optar entre ser socialista, como Cristóvão Colombo, ou ser sábio e ajuizado, como eu. Avaliem a dimensão de ambas as figuras na história da Europa e do Mundo e decidam em conformidade. Gracias e hasta luego, como se diz aí.

            Cordialmente,

            Jean-Claude Juncker

Ricardo Araújo Pereira | | 5 comentários

Obrigado, cidadão, obrigado

Atribuir prémios a quem vota seria estranho, uma vez que estamos muito habituados a não ganhar nada com o voto. O choque seria demasiado grande

Começam a ouvir-se vozes a favor do voto obrigatório. Mesmo os proprietários das vozes são a favor do voto obrigatório. Se fossem apenas vozes teria menos valor político, embora talvez fosse mais interessante do ponto de vista do esoterismo. O problema é este: os cidadãos têm pouca vontade de votar. Quando a democracia era nova ainda acorriam às urnas em bom número, mas agora as eleições tornaram-se rotineiras e já não os atraem como antigamente. Uma das soluções, acho eu, era apimentar a relação com uma novidade qualquer. Por exemplo, mudar de posição política. A maior parte dos eleitores vota sempre da mesma maneira. É natural que o acto eleitoral se torne aborrecido. Por outro lado, os candidatos podiam tornar-se um pouco mais sedutores e atenciosos. Normalmente, pretendem apenas atrair-nos à cabina de voto, e depois passam quatro ou cinco anos sem nos dizer nada. Nem um postal, nem um telefonema, nada. O eleitor sente-se sujo, e não volta a cair na esparrela.

Para evitar a abstinência dos eleitores, há quem proponha o voto obrigatório. Os cidadãos portugueses precisam de um estímulo para cumprir os seus deveres. O problema das facturas com número de contribuinte ficou resolvido por meio da atribuição de prémios; o problema da abstenção pode resolver-se por meio da aplicação de castigos. Faz sentido que os métodos sejam diferentes. Atribuir prémios a quem vota seria estranho, uma vez que estamos muito habituados a não ganhar nada com o voto. O choque seria demasiado grande. No entanto, a aplicação de castigos também acarreta problemas: a multa por não ir votar tem de ser muito avultada, na medida em que os portugueses costumam pagar um preço bastante elevado por ir votar. Pagámos quando elegemos as pessoas que criaram o problema do BPN, pagámos quando elegemos as pessoas que criaram o problema da dívida, pagámos quando elegemos as pessoas que criaram o problema do desemprego. A multa tem de ser mesmo muito elevada para que não ir votar nos saia mais caro do que ir às urnas. Caso contrário, a abstenção continua a ser mais atraente.

Pessoalmente, admito a multa para quem não vota desde que se institua igualmente uma multa para quem vota, penalizando o sentido do voto. O cidadão votou duas vezes no Sócrates? Paga uma multa. Votou quatro ou cinco vezes no Cavaco? Paga outra multa. Votou no Passos Coelho? Paga uma multa e faz trabalho comunitário. A ver se estes eleitores aprendem.

 

Ricardo Araújo Pereira | | 2 comentários
Página 1 de 20 1 | 2 | 3 | 4 | 5 |
PUBLICIDADE
Visão nas Redes