Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

O escaldante Verão de 1975

Visão História

Já está nas bancas mais uma edição da VISÃO História, totalmente dedicada ao que se passou em Portugal entre 11 de março e 25 de novembro de 1975. Conheça o conteúdo deste número

História 9

25 DE ABRIL: O PRINCÍPIO DA FESTA

Durante 20 meses alucinantes, entre o derrube do Estado Novo e a normalização democrática segundo o modelo ocidental, Portugal esteve no centro das atenções do mundo. Como tudo começou

CRONOLGIA: NOVE MESES ESCALDANTES

Os principais acontecimentos entre março e novembro de 1975

VIOLÊNCIA: E A REVOLUÇÃO PERDEU O NORTE...

Bombas e barricadas. Agitadores de batina e mocas a dividir o País. Mortos e feridos. Os meses mais destravados do Portugal democrático quase levaram à guerra. Civil

MAPA: PORTUGAL À BEIRA DA GUERRA CIVIL

O Norte conservador e minifundiário opõe-se ao Sul revolucionário e latifundiário, povoado pelos ativos operários da Cintura Industrial de Lisboa e os camponeses assalariados do Alentejo, fiéis ao PCP

MFA: QUE DEMOCRACIA E QUE SOCIALISMO?

Do 11 de março ao 25 de novembro de 1975, num clima entre o apaixonante e o assustador, Portugal viveu dias decisivos para o seu futuro. O essencial, em dez pontos, do que esteve em jogo no País, num mundo ainda dividido em grandes blocos políticos

CONSTITUINTE: TODO O FIM TEM UM COMEÇO...

Um ano depois dos cravos, a Revolução praticamente terminou: na primeira eleição livre do País, a 25 de abril de 1975, os partidos moderados ganharam

IDEOLOGIAS: A ÁRVORE GENEALÓGICA DOS PARTIDOS

Se todos as partidos da esquerda, à exceção dos trotskistas, derivavam direta ou indiretamente das cisões ocorridas no PCP (fundado em 1921 e com quase toda a sua existência passada na clandestinidade), já as formações da direita nasceram de "pais" diferentes. Assim, o CDS e o efémero PDC tiveram géneses próprias, enquanto o PPD (atual PSD) derivava da ala liberal da ANP marcelista e os monárquicos radicavam em diversas formações criadas nas décadas de 1950 e 1960. A extrema-direita spinolista nasceu e morreu no próprio ano de 1975

OPINIÃO: JORGE MIRANDA

O VERÃO QUENTE

OPINIÃO: VITAL MOREIRA

ENTRE A REVOLUÇÃO E A CONSTITUIÇÃO

MRPP: QUANDO OS 'MENINOS RABINOS' FORAM PRESOS

Organizado, corajoso, e agressivo, reclamando-se da pureza comunista, o MRPP batia no PCP e não poupava sequer os militares de Abril. Em maio, 433 militantes foram presos pelo Copcon, e a Revolução não voltou a ser mesma

NACIONALIZAÇÕES: O LONGO BRAÇO DO ESTADO

Sem um programa pré-definido, o Estado passou a exercer um poder quase absoluto sobre a economia. O tiro de partida foi dado na banca

EXPATRIADOS: COMEÇAR DE NOVO

A seguir ao 11 de março, foram para o Brasil 23 mil portugueses. As razões e as histórias na primeira pessoa

REFORMA AGRÁRIA: A TERRA E QUEM A TRABALHOU

O latifúndio vacilou no verão de 1975. Histórias dos assalariados sem terra, que ocuparam as grandes herdades do Alentejo e do Ribatejo e quiseram ser patrões da sua própria força de trabalho

INSÓLITO: O ESTRANHO CASO DA FUGA DOS PIDES

Em junho, nada menos que 89 ex-agentes da ex-PIDE/DGS evadiam se misteriosamente de Alcoentre. Alguns dos que não foram recapturados receberam ajuda da população. As pessoas achavam que podiam ser fuzilados

IMPRENSA: CASO 'REPÚBLICA', UMA HISTÓRIA EXEMPLAR

A apropriação de um jornal pela Comissão de Trabalhadores e o sequestro dos redatores simbolizam a situação confusa que se viveu nos órgãos de comunicação social

RETORNADOS: PESADELO AFRICANO

"Sair de Angola, rapidamente e em força" tornou-se palavra de ordem para os cerca de 500 mil portugueses que (ainda) permaneciam na ex-colónia, no verão de 1975. Com o escalar da guerra entre os movimentos africanos, só restava salvar a pele - e deixar toda uma vida para trás

CIA E KGB: OS ESPIÕES QUE VIERAM PARA O QUENTE

Os serviços secretos americanos e soviéticos travaram uma batalha nos bastidores da Revolução portuguesa. Moscovo ainda pregou um susto a Kissinger, mas o embaixador Carlucci soube dar xeque-mate ao PCP

DINAMIZAÇÃO CULTURAL: A 'IDA' AO POVO

Estudantes, militares e médicos recém-formados deixavam o conforto das suas casas para irem conhecer o país real. Experiências que marcaram o PREC

HABITAÇÃO: A LUTA PELA CASA

No SAAL, arquitetos e moradores de bairros pobres trabalhavam juntos e decidiam tudo em assembleia

CINEMA: 'A TERRA É DE QUEM A TRABALHA: OS FASCISTAS COMEM PALHA'

Foi um cinema em cima da hora, em cima do acontecimento e em cima do joelho... Se na música dominava a canção de protesto, nas telas os filmes chamavam-se militantes

MÚSICA: A POSSIBILIDADE DE UMA ILHA

A canção política marcou 1975 o ano que ainda não sabia por onde ia. Até A Internacional conseguiu ser um hit de verão (quente)

QUATRO GOVERNOS NUM ANO

A composição dos quatro executivos que estiveram no poder entre 11 de março e 25 de novembro de 1975

RECORDE TODOS OS NÚMEROS ANTERIORES

Quem quiser receber em casa a revista tem apenas de ligar para o telefone 808 20 80 20 ou clicar aqui e assiná-la