Com apenas três anos, o menino britânico começou a insistir em escolher a rua roupa e adereços: vestidos cor-de-rosa e fitas no seu cabelo loiro e comprido. Relata a mãe, Theresa Avery, 32 anos, que foi no final de 2010 que Zach se tornou obsecado com a personagem de desenhos animados Dora, a Exploradora e decidiu que queria viver com se fosse uma menina.

Com o agravar da situação, os pais levaram-no ao médico, dando início a uma longa caminhada que culminou com o diagnóstico de Transtorno de Identidade de Género.

A mãe recorda: "Virou-se para mim, um dia, com três anos e disse: 'Mãe, sou uma menina' Assumi que era uma fase." Mas não era e Zach começou a mostrar-se verdadeiramente perturbado quando alguém se referia a ele como rapaz.

Os especialistas explicaram aos pais da criança que este transtorno é um conflito entre o género real de uma pessoa e aquele com esta se identifica.

"Disseram-nos que apesar de ter um corpo masculino, o seu cérebro diziam-lhe que era uma menina".