As imagens divulgadas pela KCNA mostram uma mota de neve do modelo "Ski-Doo", do fabrico da empresa canadiana BRP, um produto de luxo e cuja venda se encontra, teoricamente, vetada por uma resolução contra a Coreia do Norte, aprovada em março de 2013, pelo Conselho de Segurança da ONU.

A NK News, portal especializado na Coreia do Norte que faz hoje eco do incidente, também detetou nas fotografias da agência norte-coreana que os canhões de neve foram fabricados pela firma sueca Areco e que os limpa-neves pertencem a duas marcas da Alemanha e Itália, segundo escreve a Efe.

Depois de Pyongyang ter levado a cabo, em fevereiro do ano passado, o seu terceiro ensaio nuclear, o Conselho de Segurança da ONU endureceu as sanções contra o país, as quais incluem a proibição internacional de venda de produtos de luxo ao regime de Kim Jong-un.

A Coreia do Norte anunciou, no dia de Ano Novo, a inauguração da sua estância de esqui, que conta com dez pistas, segundo a KCNA, visto como um projeto pessoal do jovem líder norte-coreano, de cerca de 30 anos, que estudou vários anos na Suíça e que, segundo analistas, é fã deste desporto de inverno.

O regime norte-coreano considera o turismo como uma importante fonte de receitas, de acordo com analistas, pelo que pretende elevar, com o novo complexo, a afluência de visitantes estrangeiros durante o longo inverno da Coreia do Norte.

A estação de esqui também desencadeou uma onda de críticas por parte daqueles que entendem que o regime desperdiçou num projeto supérfluo dinheiro que poderia ter sido investido no combate à fome com que se depara a população norte-coreana, sobretudo do meio rural.