No início da leitura da sentença, a presidente do tribunal Khamovnitcheski, em Moscovo, Marina Syrova, afirmou que as jovens são "culpadas de vandalismo".

Em causa está o facto de as Pussy Riot terem cantado em fevereiro, diante da catedral de Cristo Salvador, uma "oração" contra Vladimir Putin.

Nadezhda Tolokonnikova, 22 anos, Yekaterina Samutsevich, 29, e Maria Alyokhina, 24, eram acusadas "vandalismo" e de incitação ao ódio religioso.