Os resultados da operação de regresso aos mercados foram anunciados esta tarde por Maria Luís Albuquerque, secretária de Estado do Tesouro, e por João Moreira Rato, presidente do IGCP, em conferência de imprensa no Ministério das Finanças. 

A operação de 2,5 mil milhões de euros de obrigações a cinco anos foi protegida por um sindicato bancário formado pelo BES, Barclays, Deutsche Bank e Morgan Stanley.

A procura rasgou a barreira dos 12 mil milhões de euros. E perante o interesse dos investidores o montante da operação foi revisto em alta - a intenção inicial era colocar dois mil milhões de euros.

De acordo com o presidente do Banco Espírito Santo Investimento (BESI), José Maria Ricciardi, o único banco português entre o sindicato bancário escolhido pelo Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP-EPE) para fazer a colocação de hoje, a taxa ainda não está completamente definida, mas ficará abaixo dos 5%.

O Tesouro português fechou a aceitação de ofertas pelas 12:00, ficando aberta apenas para os mercados americanos, e tinha um valor indicativo de 2 mil milhões de euros para a operação desta quarta-feira.

A colocação desta dívida é a primeira linha de Obrigações do Tesouro desde que Portugal pediu ajuda financeira ao Fundo Monetário Internacional e à Comissão Europeia. 

O presidente do BES Investimento, José Maria Ricciardi, disse ainda que acredita que é possível Portugal emitir dívida a 10 anos nos próximos meses se o Governo assim o entender.