Setúbal, 21 ago (Lusa) - O líder do PCP alertou hoje que Portugal "já é o país com o maior corte nos salários na Europa", ao mesmo tempo que "os principais grupos económicos arrecadaram 16 milhões de euros por dia".

Num encontro com organizações representativas de trabalhadores em Setúbal, Jerónimo de Sousa afirmou que esta é "uma situação que tenderá a piorar se na prática se concretizarem as medidas do Governo de alteração ao Código do Trabalho" e as "sucessivas declarações dos responsáveis do BCE, do FMI, do Banco de Portugal, da OCDE, defendendo novos e mais drásticos cortes nos salários dos trabalhadores como a falsa solução para a superação da crise".

O secretário-geral comunista, que criticou "a ação coerciva do Estado contra os rendimentos do trabalho", salientou que hoje é "muito significativa a dimensão dos cortes no valor dos salários" e que Portugal "é já o país com o maior corte nos salários na Europa, em resultado das políticas de austeridade impostas pelo atual Governo, mas também pelo anterior executivo do PS".