Ora bem, já pensou que o conhecimento por si detido é demasiado rico e importante para ser confinado a uma só mente?

Nas empresas, há  cada vez mais espaço e razão para partilha de conhecimentos. Uma vez que a união faz a força, porque não pôr em comum saberes de que tantos podem beneficiar? Falamos de conquistar mundo, de alargar a visão, de ganhar terreno de intervenção... de partilhar conhecimentos como dever de cidadania que nos cabe a nós, decisores, profissionais e colaboradores de qualquer estrutura, designadamente das empresariais.

Teremos presente, alguns de nós, o desafio que, há uns anos, as empresas enfrentavam, na hora de adquirir e governar a informação. Eis senão quando, e a par e passo com a evolução da própria humanidade, evoluiu também a tecnologia, que não apenas facilitou a rotina dos seres vivos, mas também a capacidade de gerir toda a panóplia de informação por eles produzida. Mas de que nos serve tal informação se falhar o conhecimento sobre a sua relevância e aplicabilidade, ou seja, a forma de criarmos valor acrescentado para empresas e sociedade?

Estaremos, pois, perante um fenómeno de relação causa efeito, já que, se nos é  dada a faculdade de determos conhecimento válido, então porque desperdiçar a possibilidade de o partilharmos? Não lhe caberá a si, querido/a leitor/a, alimentar de forma virtuosa a cadeia do conhecimento que fundamenta o princípio da gestão sustentável? Se o saber não ocupa lugar, libertemos a liderança que há em nós, e espalhemos o conhecimento que pode fazer a diferença numa sociedade em que podemos, assim o queiramos, operar maravilhas.

Ao pensarmos e agirmos grande, e se quisermos ser parte da solução e não do problema, então a partilha do conhecimento deixará de ser uma ameaça e constituirá  a oportunidade de crescermos e prosperarmos.

Em Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações, aprontemo-nos para interpretar toda a essência do repto que nos é lançado pela Comissão Europeia e, numa simbiose geracional, saibamos gerir e decidir sobre o conhecimento que, independentemente da faixa etária ou do nível de responsabilidade em que estejamos inseridos, nos faça evoluir para um mundo verdadeiramente melhor.