Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

  • Futebol

    Morten Glinvad

    Maradona nas Arábias

    Depois de um interregno de cinco anos, Diego Maradona está de volta ao mundo do futebol, assumindo o papel de treinador do desconhecido Fujairah FC, da 2ª divisão dos Emirados Árabes Unidos. O lendário argentino tornou real o sonho de um xeque com grandes ambições, ao mesmo tempo que tenta, ele próprio, encontrar o seu lugar na vida e decidir o que significa hoje ser “Maradona”

  • Visão História

    Otelo Saraiva de Carvalho

    Fraternalmente, Fidel

    O ex-comandante operacional do 25 de Abril Otelo Saraiva de Carvalho relembrou, num texto publicado na VISÃO História, uma viagem a Cuba e os dias que aí passou com El Comandante

  • Hasta Siempre Comandante Fidel

    Fidel Castro morreu esta noite, aos 90 anos. O anúncio foi feito pelo seu irmão, o presidente Raúl Castro, na televisão estatal cubana. Seguem-se nove dias de luto nacional

  • Marcelo e Fidel em "encontro amistoso"

    O Marcelo Rebelo de Sousa não foi só o primeiro Presidente a fazer uma visita de Estado a Cuba. Também esteve com o líder histórico Fidel Castro, no dia em que a Assembleia Geral das Nações Unidas votaram, pela primeira vez sem votos contra, o fim do embargo a Cuba

  • Angola e o futuro

    Ela imagina canções com pequenos enredos, ele escreve livros com bandas sonoras. E os dois veem nas artes, música e literatura, meios para consolidar a identidade angolana e abrir caminho a um futuro diferente. Na semana em que Aline Frazão começa uma digressão em palcos portugueses, desafiámos a cantora para uma conversa com o escritor José Eduardo Agualusa

  • Pokémon II, o regresso

    Deram nome a uma operação da PJ, João César das Neves chamou-lhes “mentecaptos” e até Mourinho foi massacrado pelos filhos. Ainda se lembra da febre inicial dos monstrinhos, no final do século passado? Viagem à primeira grande “Poké… moca”.

  • Eu, refugiado

    Lemos os seus livros, mas desconhecemos as suas histórias verídicas de fuga a guerras e aos regimes políticos que os perseguiram. Estes escritores, prémios Nobel incluídos, podem não ter embarcado em barcos frágeis – como esses que, hoje, afundam no Mediterrâneo – mas conheceram o medo e o exílio