Visão

Siga-nos nas redes

Perfil

Com um toque de Midas

Viajar com o Chef Kiko

Kiko Martins

Uma versão mais saudável da conhecida especialidade grega. A crónica de Kiko Martins na VISÃO

Daniel Guerra

A mussaca é a verdadeira “menina dos olhos” da Grécia. Midas, personagem trágica da mitologia grega, tinha o dom de transformar tudo o que que tocasse em ouro. Pois bem, nesta receita é o toque do tempero da canela que transforma esta “lasanha” num prato adorado em todos os cantos do mundo. As camadas de massa são substituídas por fatias de beringela, acabando por ser uma versão mais saudável e com menos hidratos de carbono.

Mussaca

Ingredientes
Para 4 pessoas

50 g de manteiga
50 g de farinha
500 ml de leite
Sal fino q.b.
100 g de parmesão
500 g de beringelas
Azeite q.b.
2 cebolas brancas
4 dentes de alho
500 g de polpa de tomate
1 colher de café de canela em pó
1 colher de chá de cominhos
500 g de carne picada (novilho/borrego)

Preparação
Para fazer o molho bechamel, derreta a manteiga num tacho, junte a farinha e deixe cozinhar durante 3 minutos.
Adicione o leite e vá mexendo com uma vara de arames.
Deixe cozinhar por mais 5 minutos. Tempere com sal e metade do queijo parmesão ralado.
Corte as beringelas em fatias finas e tempere com azeite e sal. Grelhe numa frigideira bem quente.
Faça um refogado com azeite, cebola, alho e polpa de tomate.
Junte a canela e os cominhos e deixe cozinhar durante 5 minutos.
Adicione a carne picada e deixe cozinhar durante 30 minutos.
Numa travessa, faça camadas com o preparado da carne e as fatias de beringela. Coloque primeiro a carne e por cima as fatias de beringela e continue assim sucessivamente até terminar.
No final, cubra com o molho bechamel, polvilhe com a restante metade do queijo parmesão ralado e leve ao forno durante 15 minutos a 180ºC.

Kiko Martins

Kiko Martins

Nascido no Rio de Janeiro, em 1979, Kiko Martins – que prefere ser tratado por Chef Kiko – licenciou-se em Gestão, mas rapidamente percebeu que o seu futuro passava pela cozinha. Em Paris, ingressou na escola Le Cordon Bleu, tendo depois passado por restaurantes como Ledoyen, AM Le Bistro, The Fat Duck e Eleven. Tornou-se conhecido do grande público por causa de uma viagem: uma volta ao mundo realizada em 2010 na qual visitou 26 países. De então para cá, abriu cinco restaurantes em Lisboa (O Talho, A Cevicheria, O Asiático, O Surf & Turf e O Poke), tornando-se, aos 39 anos, numa das caras da nova cozinha portuguesa.